Ex-presidente da Coreia do Sul é condenada a mais oito anos de prisão

Como se trata de penas consecutivas, Park Geun-hye pode passar 32 anos atrás das grades

Park Geun-hye foi presa em agosto de 2017Park Geun-hye foi presa em agosto de 2017 - Foto: Kim Hong-Ji/Pool/AFP

A ex-presidente da Coreia do Sul Park Geun-hye foi condenada, nesta sexta-feira (20), a mais oito anos de prisão, seis deles por ter-se beneficiado ilegalmente de recursos da agência de Inteligência. Destituída pelo Parlamento sul-coreano no final de 2016, Park já cumpre pena de 24 anos de reclusão por abuso de poder e corrupção, imposta em abril, em meio a um enorme escândalo que deflagrou uma onda de protestos.

A ex-presidente, de 66 anos, não compareceu à audiência do tribunal do distrito central de Seul para ouvir a sentença de seis anos de prisão por malversação de fundos do Serviço Nacional de Inteligência (NIS) e de mais dois anos por intervir ilegalmente na designação de candidatos de seu partido conservador para as eleições legislativas de 2016.

Leia também:
Ex-presidente da Coreia do Sul é indiciada oficialmente por suborno
Um dia após ter sido destituída, presidente da Coreia do Sul continua no palácio presidencial


Como se trata de penas consecutivas, Park pode passar 32 anos atrás das grades. Park foi considerada culpada de desviar 3,3 bilhões de wones (2,9 milhões de dólares) desviados da Inteligência. "A acusada recebeu cerca de 3 bilhões de wones em três anos de três chefes do NIS. A acusada causou perdas consideráveis ao Tesouro Público com seu crime", argumentou a corte.

Três ex-chefes do NIS declararam ter desviado dinheiro da agência por ordem de Park, diz a sentença. O Ministério Público acusou a ex-presidente de ter usado o dinheiro para reformar sua residência particular, financiar uma confecção de roupas de sua confidente Choi Soon-sil e outros serviços privados, como massagens.

Choi, a amiga secreta e personagem central do escândalo, foi condenada a 20 anos de prisão por abuso de poder, corrupção e ingerência nos assuntos do Estado. Ela usou seus vínculos privilegiados com Park para extorquir milhões de euros de empresas, entre elas a gigante Samsung.

Veja também

Oxigênio enviado a Manaus pela Venezuela cruza fronteira com o Brasil
Solidariedade

Oxigênio enviado a Manaus pela Venezuela cruza fronteira com o Brasil

Imunidade contra a Covid-19 pode ser maior que seis meses, afirma estudo
Coronavírus

Imunidade contra a Covid-19 pode ser maior que seis meses, afirma estudo