Ex-reféns do EI ganham prêmio Sakharov 2016

Ativistas Nadia Murad e Lamiya Ali Bashar viveram como escravas sexuais nas mãos dos terroristas

Plenário da Assembleia Legislativa de PernambucoPlenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco - Foto: Jarbas Araújo/Alepe

 

As yazidis Nadia Murad e Lamiya Ali Bashar, que viveram como escravas sexuais nas mãos dos extremistas do grupo Estado Islâmico (EI), receberam na quinta-feira (27) o Prêmio Sakharov 2016, com o qual o Parlamento Europeu reconhece a defesa dos direitos humanos.

“Sua história é dolorosa, trágica”, mas elas “tinham o sentimento de precisar sobreviver para testemunhar”, ressaltou o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, diante dos eurodeputados reunidos em Estrasburgo, Nordeste da França.

Schulz elogiou a “coragem” e a dignidade” destas duas mulheres, cujo “combate não foi em vão”, ao mesmo tempo em que convocou os europeus a “lutar contra a estratégia genocida do EI”. As duas vivem agora na Alemanha.

“É importante que o mundo não esqueça as mulheres e as crianças detidas pelo EI e que estes crimes já não sejam cometidos por ninguém”, afirmou Lamiya Aji Bashar, de 18 anos, em uma mensagem à ONG Luftbrücke Irak após a divulgação do prêmio. Nadia Murad, por sua vez, considerou que este prêmio constitui uma “potente mensagem” contra a “desumanidade” do EI.

Com este prêmio, “o mundo livre condena a desumanidade criminosa do grupo EI e honra suas vítimas”, disse esta jovem mulher em um comunicado divulgado em Washington.
“Esta recompensa é uma potente mensagem (...) ao nosso povo e às mais de 6.700 mulheres, meninas e meninos convertidos em vítimas da escravidão e do tráfico de seres humanos do EI, e afirma que o genocídio não se repetirá”, acrescentou.

O prêmio Sakharov, que no ano passado foi dado ao blogueiro saudita Raif Badawi e neste será entregue às ganhadoras em cerimônia em 14 de dezembro em Estrasburgo, é concedido pela Eurocâmara desde 1988 para distinguir pessoas e organizações que defendem os direitos humanos e as liberdades fundamentais. Competia também pelo troféu o jornalista turco Can Dundar, condenado a mais de cinco anos de prisão por relatar o envio de armas turcas à Síria. Ausente do próprio julgamento, Dundar está hoje exilado na Alemanha.

 

Veja também

Bolsa fecha acima de 100 mil pontos por primeira vez em quatro meses
BOLSA DE VALORES

Bolsa fecha acima de 100 mil pontos por primeira vez em quatro meses

Argentina vai testar vacina para Covid-19
Coronavírus

Argentina vai testar vacina para Covid-19