Ex-reféns do EI ganham prêmio Sakharov 2016

Ativistas Nadia Murad e Lamiya Ali Bashar viveram como escravas sexuais nas mãos dos terroristas

Plenário da Assembleia Legislativa de PernambucoPlenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco - Foto: Jarbas Araújo/Alepe

 

As yazidis Nadia Murad e Lamiya Ali Bashar, que viveram como escravas sexuais nas mãos dos extremistas do grupo Estado Islâmico (EI), receberam na quinta-feira (27) o Prêmio Sakharov 2016, com o qual o Parlamento Europeu reconhece a defesa dos direitos humanos.

“Sua história é dolorosa, trágica”, mas elas “tinham o sentimento de precisar sobreviver para testemunhar”, ressaltou o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, diante dos eurodeputados reunidos em Estrasburgo, Nordeste da França.

Schulz elogiou a “coragem” e a dignidade” destas duas mulheres, cujo “combate não foi em vão”, ao mesmo tempo em que convocou os europeus a “lutar contra a estratégia genocida do EI”. As duas vivem agora na Alemanha.

“É importante que o mundo não esqueça as mulheres e as crianças detidas pelo EI e que estes crimes já não sejam cometidos por ninguém”, afirmou Lamiya Aji Bashar, de 18 anos, em uma mensagem à ONG Luftbrücke Irak após a divulgação do prêmio. Nadia Murad, por sua vez, considerou que este prêmio constitui uma “potente mensagem” contra a “desumanidade” do EI.

Com este prêmio, “o mundo livre condena a desumanidade criminosa do grupo EI e honra suas vítimas”, disse esta jovem mulher em um comunicado divulgado em Washington.
“Esta recompensa é uma potente mensagem (...) ao nosso povo e às mais de 6.700 mulheres, meninas e meninos convertidos em vítimas da escravidão e do tráfico de seres humanos do EI, e afirma que o genocídio não se repetirá”, acrescentou.

O prêmio Sakharov, que no ano passado foi dado ao blogueiro saudita Raif Badawi e neste será entregue às ganhadoras em cerimônia em 14 de dezembro em Estrasburgo, é concedido pela Eurocâmara desde 1988 para distinguir pessoas e organizações que defendem os direitos humanos e as liberdades fundamentais. Competia também pelo troféu o jornalista turco Can Dundar, condenado a mais de cinco anos de prisão por relatar o envio de armas turcas à Síria. Ausente do próprio julgamento, Dundar está hoje exilado na Alemanha.

 

Veja também

Universidades e escolas de Lisboa amanhecem com pichações racistas contra brasileiros
Preconceito

Universidades e escolas de Lisboa amanhecem com pichações racistas contra brasileiros

Trump diz que manterá política migratória em relação ao México
EUA

Trump diz que manterá política migratória em relação ao México