Ex-vice-ministro de Alan García é preso por subornos da Odebrecht

Jorge Cuba foi detido nesta terça-feira (31) no aeroporto de Lima, após seu retorno ao país

OdebrechtOdebrecht - Foto: Agência Brasil

Jorge Cuba, ex-vice-ministro de Transporte do segundo governo de Alan García (2006-2011), foi detido nesta terça-feira (31) no aeroporto de Lima, após seu retorno ao país, acusado de receber subornos por dois milhões de dólares da Odebrecht.

Cuba é o primeiro ex-funcionário peruano de alto escalão acusado pelo Ministério Público de ser beneficiário do pagamento de subornos para entregar a concessão da Linha 1 do Metrô de Lima à construtora.

O ex-funcionário chegou a Lima procedente de Miami e foi preso pela Polícia para ser interrogado pelo procurador Hamilton Castro, chefe da equipe que investiga os subornos da Odebrecht e de outras empresas brasileiras a funcionários públicos peruanos, informou à imprensa Luis Peña, advogado de Cuba.

"Vou colaborar com a Justiça", gritou Cuba, ao ser levado.

A Justiça peruana determinou há alguns dias sua prisão preventiva por 18 meses, sob a suspeita de que ele recebeu 2 milhões de dólares dos mais de 7 milhões de dólares pagos pela empreiteira pela licitação da obra.

Peña disse que seu cliente se submeterá a todas as decisões judiciais. Afirmou ainda que está avaliando a situação de Cuba com base nas acusações que pesam contra ele e, então, decidirá como colaborar com as autoridades.

Cuba é o terceiro membro do segundo governo de García (2006-20011) que se encontra detido acusado de receber propina da construtora. Estão presos um funcionário do Ministério dos Transportes e um integrante do comitê que licitou a obra do metrô.

A Odebrecht admitiu o pagamento de subornos no Brasil e em vários países da América Latina. No Peru, reconheceu subornos a funcionários públicos peruanos por 29 milhões de dólares em troca de licitações de obras públicas entre 2005 e 2014. A população exige do governo maior celeridade nas prisões dos envolvidos.

Uma comissão do Congresso investiga o tema, e a empresa chegou a um acordo de delação com a Justiça.

O período compreende os governos de Alejandro Toledo, Alan García e Ollanta Humala. Os ex-presidentes Toledo e Humala já são investigados por lavagem de dinheiro.

Veja também

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip
Realeza

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia
Ásia

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia