Facebook confirma vazamento de 87 milhões de dados

A estimativa anterior, revelada pelo jornal The New York Times, era de que cerca de 50 milhões de pessoas teriam tido seus dados vazados do Facebook para a Cambridge Analytica

FacebookFacebook - Foto: Norberto Duarte / AFP

O Facebook anunciou nesta quarta-feira (4) que acredita que os dados de até 87 milhões de pessoas, em sua maioria nos Estados Unidos, foram compartilhados de forma imprópria com a empresa Cambridge Analytica. A estimativa anterior era de que cerca de 50 milhões de pessoas teriam tido seus dados vazados para a companhia.

Segundo a empresa, a partir de segunda-feira (9), os usuários serão avisados sobre se seus dados foram usados pela Cambridge Analytica. A rede social também disse que colocará um link no alto da página dos usuários pelo qual eles poderão ver que apps usam e que informações foram compartilhadas com esses apps; e poderão remover os apps que não desejam mais usar.

O Facebook está no centro de um escândalo de vazamento de dados de milhões de usuários, por meio da consultoria Cambridge Analytica, que trabalhou para a campanha de Donald Trump e que é suspeita de ter colhido informações pessoais de usuários da rede social de forma irregular. O caso foi revelado pelos jornais New York Times e Guardian e pela rede de televisão Channel 4, do Reino Unido.

A empresa vem perdendo valor de mercado desde então, e tem sido questionada sobre a eficácia do controle sobre os dados dos usuários e as consequências de seu uso por terceiros.

Desde então, tem havido questionamentos em vários países sobre o alcance e o poder do Facebook e de outras plataformas, e a necessidade de regulação dessas atividades.

 Depoimento

O presidente e fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, será ouvido em audiência no Congresso dos EUA na próxima quarta-feira (11) sobre o uso e a proteção de dados dos usuários da plataforma.

É a primeira vez que Zuckerberg depõe a legisladores americanos, em meio a um crescente cerco de políticos, governos e da opinião pública contra o Facebook e outras empresas de tecnologia.

A audiência com Zuckerberg foi confirmada nesta quarta (4) pelo comitê de Energia e Comércio da Câmara. Ela será realizada às 11h de Brasília, na próxima quarta-feira (11).

Veja também

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico
Plebiscito

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico

Piñera vota em plebiscito no Chile sobre mudança na Constituição
Chile

País sai às urnas neste domingo (25) para decidir sobre a elaboração de uma nova Constituição