Farc também mereciam Nobel, segundo ex-refém da guerrilha

“Estou muito, muito feliz” pela atribuição do prêmio, acrescentou Betancourt, que era candidata ecologista à presidência da Colômbia quando foi sequestrada, em 2002.

A Fábrica de Nada A Fábrica de Nada  - Foto: Internet / Reprodução

 

PARIS (AFP) - As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) também mereciam receber o prêmio Nobel da Paz junto com o ex-presidente Juan Manuel Santos, opinou ontem a ex-refém da guerrilha Ingrid Betancourt.
Em uma entrevista telefônica com Betancourt, o canal de notícias francês I-Télé perguntou à ex-candidata presidencial se “os que a sequestraram também mereciam ter recebido o Nobel da Paz”. “Sim”, respondeu Betancourt. “Para mim é muito difícil dizer que sim, mas acredito que sim”, acrescentou emocionada esta mulher sequestrada pelas Farc na selva colombiana entre 2002 e 2008.
“Estou muito, muito feliz” pela atribuição do prêmio, acrescentou Betancourt, que era candidata ecologista à presidência da Colômbia quando foi sequestrada, em 2002.
“Acredito que não apenas é merecido, mas que também convida a um momento de reflexão na Colômbia, de esperança de paz, da alegria de dizer que, efetivamente, a paz não volta atrás”, acrescentou.
Santos “lutou praticamente sozinho para obter este resultado, está mudando a história do país porque dá às novas gerações colombianas a possibilidade de um país diferente. É um momento muito importante para a Colômbia”, concluiu a ex-refém, que atualmente vive entre França, Inglaterra e Estados Unidos.

 

Veja também

Antes de referendo, protestos marcam um ano de manifestações no Chile
Referendo

Protestos marcam um ano de manifestações no Chile

Projeções apontam vitória do candidato de Evo Morales no 1º turno na Bolívia
América Latina

Projeções apontam vitória do candidato de Evo Morales no 1º turno na Bolívia