Mundo

Fracassa negociação sobre o Brexit e May se vê mais perto da demissão

As discussões "foram o mais longe possível", anunciou o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, atribuindo o fracasso à "crescente fraqueza e instabilidade" do Executivo

Theresa May, primeira ministra britânicaTheresa May, primeira ministra britânica - Foto: HO/AFP/ PRU

As negociações entre o governo e a oposição para encontrar uma saída ao bloqueio do Brexit se romperam nesta sexta-feira (17), empurrando um pouco mais para a saída a primeira-ministra Theresa May, já pressionada por seu próprio partido.

As discussões "foram o mais longe possível", anunciou o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, atribuindo o fracasso à "crescente fraqueza e instabilidade" do Executivo.

Leia também:
Sem acordo, Reino Unido terá que participar das eleições europeias
Retrato inédito de Leonardo da Vinci é descoberto no Reino Unido
União Europeia considera impor tarifas sobre produtos dos EUA


Iniciados no início de abril, esses contatos tinham como objetivo encontrar um acordo sobre o Brexit que pudesse obter o apoio da maioria parlamentar. Desde janeiro, a Casa rejeitou três vezes o texto assinado pela primeira-ministra em novembro com seus 27 parceiros europeus.

Segundo Corbyn, porém, nas últimas semanas, "a posição do governo se tornou cada vez mais instável, e sua autoridade foi corroída", minando a "confiança na capacidade do Executivo de chegar a um acordo".

"Muitas vezes, as propostas de sua equipe de negociação foram publicamente contraditas por declarações de outros membros do gabinete", disse ele, enfatizando que tudo isso ocorria enquanto o Partido Conservador avançava no processo de seleção de um novo líder.

May prometeu aos conservadores mais eurocéticos que deixaria o cargo assim que conseguisse a aprovação do acordo negociado com Bruxelas. Ela chegou ao poder em 2016, após a renúncia de David Cameron em razão da vitória do Brexit no referendo.

Os eurocéticos consideram que a primeira-ministra fez concessões inaceitáveis à União Europeia durante os dois anos de negociações e não querem que ela continue no comando para a segunda, e mais importante, etapa do Brexit: o acordo sobre a futura relação entre ambas as partes.

Nos últimos dias, ficou claro, contudo, que o acordo de May pode falhar novamente em uma quarta votação, marcada para o início de junho na Câmara dos Comuns.

E, temendo a permanência da primeira-ministra, os deputados conservadores pediram na quinta-feira que ela estabeleça uma data clara para sua partida, independentemente do resultado da votação parlamentar.

"Com lágrimas nos olhos"
Depois dessa votação, explicou Graham Brady - responsável pela organização do grupo parlamentar conservador -, "ela e eu nos encontraremos novamente para chegar a um acordo sobre o cronograma para a eleição de um novo líder partidário".

"E isso vai acontecer independentemente do resultado da nova votação", ressaltou. "Os homens de cinza disseram a uma Theresa May com lágrimas nos olhos que seu tempo acabou", resumiu nesta sexta o jornal conservador "Daily Telegraph".

"Na prática, isso significa que Theresa May partirá no final de julho, o mais tardar, para permitir que o partido eleja um novo líder a tempo de sua assembleia geral em setembro", apontou o jornal, prevendo "uma luta" pelo poder que causará enormes divisões internas.

Enquanto May se reunia com Brady, o controverso ex-ministro das Relações Exteriores Boris Johnson, um fervoroso defensor do Brexit e um dos principais rivais de May dentro de sua própria formação, anunciou publicamente que seria um candidato para o cargo de primeiro-ministro.

Após o referendo de junho de 2016, em que 52% dos britânicos votaram a favor do Brexit, o Reino Unido deveria ter deixado a UE em 29 de março.

A repetida rejeição do Parlamento ao acordo de divórcio com Bruxelas levou May a pedir um adiamento "flexível" do Brexit, até 31 de outubro. O país pode deixar o bloco mais cedo se encontrar uma solução para o bloqueio.

Veja também

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA
Petróleo

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais
Londres

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais

Newsletter