Fracassa novo teste de míssil da Coreia do Norte

Entretanto, especialistas avaliam que o míssil pode estar operacional no início do próximo ano

Marco?Aurélio diz que sede atual não está à altura do RecifeMarco?Aurélio diz que sede atual não está à altura do Recife - Foto: Câmara Municipal/divulgação

A Coreia do Norte realizou nesta quinta-feira o que parece ter sido um novo teste de míssil de médio alcance, capaz de atingir as bases americanas na ilha de Guam, no Pacífico Norte.

O míssil, um Musudan, explodiu logo após o lançamento, às 6h30 locais (20h de Brasília, quarta-feira, 19), informou o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul.

Este é o segundo teste fracassado de um Musudan em menos de uma semana, mas especialistas avaliam que o míssil pode estar operacional no início do próximo ano.

O lançamento aconteceu depois de uma reunião em Washington entre os ministros sul-coreanos da Defesa e das Relações Exteriores com seus colegas americanos.

O secretário de Estado americano, John Kerry, afirmou que se a Coreia do Norte utilizar armamento nuclear ficará exposta a uma "resposta eficaz e contundente".

Kerry confirmou ainda a instalação de um escudo antimísseis americano na Coreia do Sul.

O Conselho de Segurança da ONU, que examina novas sanções contra Pyongyang em resposta ao quinto teste nuclear, realizado em 9 de setembro, condenou o lançamento de um Musudan no sábado, que também terminou em falha.

O Musudan é um míssil de fabricação norte-coreana, apresentado pela primeira vez em outubro de 2010, durante uma parada militar.

O armamento tem alcance de entre 2.500 e 4.000 km, com capacidade para atingir alvos na Coreia do Sul e no Japão, além de Guam.

"Nossas Forças Armadas condenam com firmeza as ações provocadoras contínuas da Coreia do Norte e estão preparadas para a eventualidade de novas provocações", afirma um comunicado do Estado-Maior sul-coreano.

Este ano foram registrados oito testes com este míssil. Apenas um teve sucesso, o de junho, quando o projétil percorreu 400 km e caiu no Mar do Japão.

O tiro de junho foi elogiado pelo líder norte-coreano, Kim Jong-Un, como um sucesso absoluto e prova da capacidade da Coreia do Norte para atacar bases americanas no Pacífico.

Analistas militares americanos acreditam que um teste bem sucedido do Musudan ajudaria a Coreia do Norte a desenvolver um míssil balístico intercontinental.

"Se continuarem neste ritmo, o míssil (...) poderá estar operacional no próximo ano, muito antes do que pensávamos", escreveu recentemente John Schilling, engenheiro aeroespacial, no site 38 North do Instituto Coreano-Americano da Universidade John Hopkins.

A multiplicação dos testes expõe a Coreia do Norte a acumular fracassos, mas também permite aprender com os erros, destacou o especialista.

Após o quarto teste nuclear do país, em janeiro, o Conselho de Segurança da ONU aprovou as sanções mais duras já aplicadas contra Pyongyang, em particular contra as exportações de mineração e com um reforço das restrições bancárias.

O Conselho de Segurança discute atualmente sanções contra a indústria nuclear e balística norte-coreana, de acordo com fontes diplomáticas.

Veja também

Latam Brasil entra com pedido de recuperação judicial nos EUA
Latam

Latam Brasil entra com pedido de recuperação judicial nos EUA

Mais de 550 mil mortes por coronavírus no mundo

Mais de 550 mil mortes por coronavírus no mundo