França começa a desmantelar acampamento de imigrantes de Calais

Entre 6 mil e 8 mil pessoas estão instaladas no local, vindas majoritariamente do Afeganistão, Sudão e Eritreia

Prefeitura de São Lourenço da MataPrefeitura de São Lourenço da Mata - Foto: Divulgação

A França começou a desmantelar na manhã desta segunda-feira (24) a chamada "Selva" de Calais, imenso acampamento onde se concentram milhares de imigrantes, com o que espera virar a página deste símbolo da crise migratória que afeta a Europa.

Pelo menos 2.318 imigrantes - de um total estimado em algo entre 6 mil e 8 mil pessoas - foram retirados sem incidentes dessa favela. De acordo com o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, entre eles estão 1.918 adultos e 400 menores, que foram "orientados para um centro de acolhida provisório", até que sua situação e destino sejam determinados. Ao todo, cerca de 1,3 mil menores viviam no local.

Logo cedo, pela manhã, as primeiras mulheres, crianças e doentes, chegados majoritariamente do Afeganistão, Sudão e Eritreia, apresentaram-se com seus pertences no hangar usado como base de operações. De lá, pegam os ônibus que vão levá-los para 451 centros de acolhida espalhados por todo o território francês. Essas instituições têm capacidade para 7,5 mil pessoas.

"Se conseguirmos evacuar entre 2 mil e 2,5 mil pessoas nesta segunda, será ótimo", afirmou o diretor do escritório francês de Migração, Didier Leschi. Uma vez evacuado, o acampamento será demolido. As escavadeiras começarão a trabalhar na terça-feira (25).

Apesar de alguns empurrões e discussões, a operação transcorreu em calma, declarou o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve.

Cerca de 1.250 policiais foram mobilizados para garantir as operações.

No total, entre 6 mil e 8 mil migrantes serão evacuados em uma operação que vai durar a semana toda.

O primeiro na fila para o primeiro ônibus, um sudanês de 25 anos, afirmou que "qualquer lugar da França será melhor do que Calais".

Mohamed, um etíope, é mais cético. "Quero ir para o Reino Unido, não me interessa embarcar nesse ônibus", disse ele.

Ainda que esteja aliviado pela calma com que a operação se desenvolveu, Christian Salomé, da organização Auberge des Migrants, manifestou sua preocupação com o fim de semana, "quando restarão as pessoas que não abrem mão de ir para o Reino Unido" e não querem deixar a "Selva". Segundo ele, é o caso de cerca de 2 mil imigrantes.

Homens, mulheres e crianças convivem há meses nesse acampamento precário.

No fim de setembro, o governo francês anunciou o desmantelamento do acampamento que, com a insegurança e a revolta que gera entre a população local, transformou-se em um ponto delicado que envenena o debate na França em torno da imigração, seis meses antes das eleições presidenciais. Simboliza também a impotência da Europa frente à pior crise migratória desde a Segunda Guerra Mundial.

As autoridades começaram a distribuir folhetos em vários idiomas para explicar a operação, apresentada como humanitária, e tentar convencer os mais reticentes. "Ainda é preciso convencer algumas pessoas", admitiu Didier Leschi.

Como Karhazi, um afegão que lamenta ser obrigado a ir embora. "Terão que nos forçar a partir. Queremos ir para o Reino Unido", insistiu.

Vários imigrantes abandonaram o acampamento nos últimos dias para não se afastar da região e continuar tentando cruzar o Canal da Mancha.

Operação delicada

Em alguns povoados franceses, a população manifestou seu desacordo com o plano de distribuição imposto pelo Executivo, e vários membros da oposição de direita aludiram ao risco de criar vários "mini-Calais" em todo o país.

"Acolher nessas localidades 30, 40 pessoas me parece o mínimo. É preciso ter respeito e humanidade para com os migrantes", declarou o ministro das Cidades, Patrick Kanner.

Além da logística complexa, a operação é delicada do ponto de vista de segurança. Na noite de domingo (23), houve confrontos perto do acampamento, e a Polícia recorreu a gás lacrimogêneo.

Na madrugada desta segunda (24), um futuro lugar de acolhida no centro da França foi parcialmente incendiado.

"O governo francês tomou uma decisão corajosa e necessária (...) Um país de 67 milhões de habitantes é perfeitamente capaz de acolher essas pessoas em perigo (...), acolhê-las dignamente e sem excessiva polêmica", declarou nesta segunda o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Marc Ayrault.

O governo britânico acelerou os procedimentos para acolher essas crianças e adolescentes, dos quais cerca de 500 têm famílias no Reino Unido.

Mais de um milhão de pessoas que fogem da guerra e da pobreza na África e no Oriente Médio chegaram à Europa em 2015, semeando divisões entre os 28 países da União Europeia (EU) e alimentando a ascensão dos partidos de extrema-direita.

Veja também

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra
Coronavírus

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra

Bomba em escola paquistanesa deixa 7 mortos e mais de 80 feridos
internacional

Bomba em escola paquistanesa deixa 7 mortos e mais de 80 feridos