França desaprova declarações de Trump sobre atentados de 2015

Em discurso na Associação Nacional do Rifle, poderoso grupo americano a favor das armas, Trump declarou que, se alguma das vítimas dos ataques em Paris, na França, estivesse armada, os massacres poderiam ter sido evitados

Trump quer obrigar emissora a exibir hino nacional em jogos da NFLTrump quer obrigar emissora a exibir hino nacional em jogos da NFL - Foto: Saul Loeb/AFP

A França manifestou neste sábado (5) sua "firme reprovação" e pediu "respeito à memória das vítimas", depois que o presidente americano, Donald Trump, usou os atentados de 2015 em Paris para defender o direito ao uso de armas.

"A França expressa sua firme reprovação às declarações do presidente Trump em relação aos atentados de 13 de novembro de 2015 em Paris, e pede respeito à memória das vítimas", declarou a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Agnès von der Mühll.

Em discurso na última sexta-feira (4) na Associação Nacional do Rifle (NRA, sigla em inglês), poderoso grupo de pressão americano a favor das armas, Trump declarou que, se alguma das vítimas dos ataques em Paris estivesse armada, os massacres poderiam ter sido evitados.

Leia também:
Trump sugere Panmunjom para reunião com Kim Jong Un
[Fotos]Trump e Macron demonstram intimidade durante encontro

"Foram brutalmente assassinadas por um pequeno grupo de terroristas armados. No seu tempo, mataram um por um. Bum! Venha aqui! Bum! Venha aqui!", disse o presidente americano, simulando com gestos um jihadista atirando contra as vítimas.

"Se um funcionário ou cliente estivesse armado, os terroristas teriam fugido ou sido baleados, e a história teria sido outra", afirmou Trump.

"A livre circulação de armas no seio de uma sociedade não constitui uma barreira contra os ataques terroristas. Pelo contrário, pode facilitar o planejamento deste tipo de ataque", replicou a porta-voz da diplomacia francesa.

"A França tem orgulho de ser um país seguro, onde a compra e o porte de armas de fogo são estritamente regulamentados", assinalou. "As estatísticas envolvendo vítimas de armas de fogo não nos levam a rediscutir esta escolha."

As declarações de Trump deixaram indignados o ex-presidente François Hollande e seu ex-premier, Manuel Valls.

"Os comentários vergonhosos e os gestos obscenos de Donald Trump dizem muito sobre o que ele pensa sobre a França e seus valores", considerou Hollande.

"Indecente e incompetente. O que mais se pode dizer?", tuitou Valls, que, com Hollande, chefiava o governo no momento dos ataques de 13 de novembro de 2015.

Cento e trinta pessoas foram assassinadas e centenas ficaram feridas na série de atentados em Paris e Saint Denis reivindicados pelo grupo jihadista Estado Islâmico.

Veja também

Canadá reporta novo caso de coágulos sanguíneos após vacinação com AstraZeneca
Coronavírus

Canadá reporta novo caso de coágulos sanguíneos após vacinação com AstraZeneca

França: quarentena obrigatória para viajantes do Brasil
América Latina

França: quarentena obrigatória para viajantes do Brasil