Mundo

França deve adotar pulseira 'anti-aproximação' contra a violência conjugal

Número de feminicídios na França este ano superou os dados registrados em 2018 pelo governo

Protesto contra os feminicídios na FrançaProtesto contra os feminicídios na França - Foto: Zakaria Abdelkafi/AFP

O Parlamento da França, país em que mais de 210 mil mulheres são vítimas a cada ano de violência física ou sexual por parte de seu parceiro, deve aprovar em definitivo nesta quarta-feira (18) a pulseira 'anti-aproximação' para afastar os homens violentos.

O Senado francês aprovará um projeto de lei que recebeu apoio quase unânime da Assembleia Nacional na semana passada. O número de feminicídios na França este ano superou os dados registrados em 2018 pelo governo, com 122 casos confirmados, de acordo com um balanço da AFP.

Leia também:
Greve na França apesar de pedido de diálogo do governo
Mulheres protestam na América Central contra feminicídio


A pulseira, que já existe na Espanha, onde os feminicídios diminuíram de forma significativa, permite a geolocalização e manter à distância os parceiros ou ex-parceiros violentos graças à ativação de um sinal.

Dependendo do consentimento do cônjuge violento, a pulseira pode ser ativada "como uma penalidade, antes do julgamento no âmbito de um controle judicial ou à margem de qualquer denúncia no âmbito civil de uma ordem de restrição", afirmou a ministra francesa da Justiça, Nicole Belloubet.

Veja também

Moderna iniciou testes de reforço da vacina específico para ômicronômicron

Moderna iniciou testes de reforço da vacina específico para ômicron

Príncipe Andrew quer ser julgado por júri das acusações de agressão sexualMonarquia inglesa

Príncipe Andrew quer ser julgado por júri das acusações de agressão sexual