França deve adotar pulseira 'anti-aproximação' contra a violência conjugal

Número de feminicídios na França este ano superou os dados registrados em 2018 pelo governo

Protesto contra os feminicídios na FrançaProtesto contra os feminicídios na França - Foto: Zakaria Abdelkafi/AFP

O Parlamento da França, país em que mais de 210 mil mulheres são vítimas a cada ano de violência física ou sexual por parte de seu parceiro, deve aprovar em definitivo nesta quarta-feira (18) a pulseira 'anti-aproximação' para afastar os homens violentos.

O Senado francês aprovará um projeto de lei que recebeu apoio quase unânime da Assembleia Nacional na semana passada. O número de feminicídios na França este ano superou os dados registrados em 2018 pelo governo, com 122 casos confirmados, de acordo com um balanço da AFP.

Leia também:
Greve na França apesar de pedido de diálogo do governo
Mulheres protestam na América Central contra feminicídio


A pulseira, que já existe na Espanha, onde os feminicídios diminuíram de forma significativa, permite a geolocalização e manter à distância os parceiros ou ex-parceiros violentos graças à ativação de um sinal.

Dependendo do consentimento do cônjuge violento, a pulseira pode ser ativada "como uma penalidade, antes do julgamento no âmbito de um controle judicial ou à margem de qualquer denúncia no âmbito civil de uma ordem de restrição", afirmou a ministra francesa da Justiça, Nicole Belloubet.

Veja também

Presidente mexicano López Obrador anuncia que testou positivo para Covid-19
CORONAVÍRUS

Presidente mexicano López Obrador anuncia que testou positivo para Covid-19

Confiança na economia é central para superar crise da Covid-19, diz Davos
Economia

Confiança na economia é central para superar Covid-19, diz Davos