Furacão Dorian: EUA ordenam que 1 milhão de pessoas deixem suas casas

O fenômeno provocou devastação e enchentes nas ilhas de Abaco e Grande Bahama

Imagem de satélite capturou imagens do furacão DorianImagem de satélite capturou imagens do furacão Dorian - Foto: NOAA / NOAA/RAMMB / AFP

O furacão Dorian, um dos mais poderosos já registrados no Oceano Atlântico, apresentou sinais de enfraquecimento nesta terça-feira (3), após castigar as Bahamas, provocando devastação e enchentes nas ilhas de Abaco e Grande Bahama. A água atingiu o segundo andar de alguns edifícios e deixou pessoas ilhadas.

A expectativa é que o Dorian avance para o litoral dos Estados Unidos, onde as autoridades ordenaram que mais de um milhão de pessoas deixem suas casas.

Nas Bahamas, autoridades locais afirmam que ao menos cinco pessoas morreram e 21 feridos foram transportados para a capital por helicópteros da Guarda Costeira dos Estados Unidos.

Leia também:
Furacão Dorian atinge categoria máxima a caminho das Bahamas
Furacão Dorian fecha aeroportos nos EUA
Furacão Dorian enfraquece e passa à categoria 3

"Estamos em meio a uma tragédia histórica", afirmou o primeiro-ministro das Bahamas, Hubert Minnis, ressaltando que o país sofreu uma "devastação extensa e sem precedentes". "Nossa missão agora é nos concentrarmos nas buscas, resgates e recuperação", afirmou.

Fortes chuvas continuam a castigar as ilhas no noroeste das Bahamas. Na manhã desta terça-feira, os ventos diminuíram de velocidade, chegando a 193 quilômetros por hora, rebaixando o furacão para a categoria 3 na escala Saffir-Simpson, que vai de 1 a 5.

Segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC), baseado em Miami, a velocidade dos ventos mais alta registrada após a chegada do Dorian foi de 215 quilômetros por hora.

O centro do furacão chegou a 40 quilômetros de Freeport, na ilha Grande Bahama, onde os ventos chegaram a 75 quilômetros por hora. Em todo o país, cerca de 13 mil casas foram destruídas ou gravemente danificadas, segundo estimativas da Cruz Vermelha.

Furacão Dorian nas Bahamas
O furacão Dorian deixou cerca de 13 mil casas destruídas ou gravemente danificadas nas Bahamas e deve seguir para o noroeste no final desta terça-feira e atingir o litoral dos estados americanos da Flórida, Carolina do Sul e Geórgia. Apesar das expectativas de que o Dorian permaneça sobre o mar, as autoridades mantêm os alertas para a região, uma vez que não estará muito longe da costa e pode ainda se deslocar para o continente.

Nove condados da Flórida lançaram ordens de evacuação. Na costa leste do estado, alguns postos de gasolina e aeroportos estão fechados, assim como o de Orlando, o maior da região. O Walt Disney World Resort, na mesma cidade, permanecerá fechado nesta terça-feira.

Na Carolina do Sul, mas de 830 mil pessoas em oito condados receberam ordens de evacuação. No estado da Geórgia, moradores de seis condados devem deixar suas casas.

O furacão Dorian se igualou a outros como o Gilbert, de 1988, o Wilma, de 2005 e o furacão do Dia do Trabalho, de 1935, como o segundo mais poderoso já registrado no Atlântico. O Allen, de 1980, com ventos de 306 quilômetros por hora, foi o mais forte da história, segundo o NHC. 

Veja também

Opas afirma que Venezuela pode receber vacinas anticovid da Johnson & Johnson em junho
Vacinas

Opas afirma que Venezuela pode receber vacinas anticovid da Johnson & Johnson em junho

Cerca de 1,5 mil foguetes foram lançados contra Israel esta semana, afirma Exército israelense
Conflito

Cerca de 1,5 mil foguetes foram lançados contra Israel esta semana, afirma Exército israelense