Furacão Irma deixa Havana debaixo d'água

Ondas provocadas pelo Irma castigaram a capital de Cuba; mais de um milhão de pessoas precisaram deixar suas casas

Ruas de Havana inundadas após passagem do furacão IrmaRuas de Havana inundadas após passagem do furacão Irma - Foto: Yamil Lage/AFP

Os moradores de Havana passaram o domingo (10) debaixo d'água, após a passagem do furacão Irma, que provocou cortes de energia elétrica e obrigou a evacuação de mais de um milhão de pessoas. As ondas castigaram a costa da capital cubana, depois que o furacão castigou o litoral norte de Cuba, em sua trajetória rumo à Flórida.

"Isso vai ser catastrófico, porque, aqui, muitos prédios não estão preparados para ter um dilúvio de água como esse", disse à AFP Yanmara Suárez, em uma rua de Havana con água até o tornozelo. Em outras ruas perto da costa, a água chegava até a cintura e inundou casas.

Leia também:
Cuba tem ondas de até nove metros após passagem de furacão Irma
Cuba tem intensas chuvas e mais de um milhão de evacuados por Irma


"Em 49 anos que vivo aqui é a primeira vez", disse Ernesto Loza, sentado na porta de casa, a qual, felizmente, está construída acima do nível atingido pela água. "Sempre houve uma coisa do mar assim, mas nunca chegou a este limite, a este fenômeno", acrescentou.

Mar avançou como nunca antes
As autoridades indicaram que os ventos atingiram 150 km/h em Havana, provocando ondas sem precedentes. A presidente do Conselho de Defesa Nacional de Havana, Mercedes López Acea, disse à televisão nacional que "o mar avançou como nunca se viu".

Mercedes relatou quedas de árvores e galhos, assim como danos à rede elétrica. A maioria dos bairros da capital ficou sem luz no domingo de manhã. O sistema de distribuição de água e a rede telefônica por cabo também foram interrompidos.

Houve também "colapsos parciais, ou totais, de casas" na cidade e na província, acrescentou ela, ainda sem informações consolidadas. O mar invadiu o emblemático Malecón de Havana, e a água penetrou algumas zonas da capital em mais de 500 metros. Algumas pessoas se lançaram às águas para tentar chamar a atenção da Polícia e dos socorristas que patrulham a cidade.

As autoridades cubanas preveem que os efeitos do Irma continuarão sendo sentidos em Havana nesta segunda-feira.

Hotéis evacuados
O furacão castigou o centro de Cuba no sábado (9), pondo abaixo linhas de alta tensão, árvores e destelhando imóveis. Segundo a imprensa estatal cubana, o furacão danificou "seriamente" o centro da ilha, com ventos de até 256 km/h.

As autoridades indicaram que mais de um milhão de pessoas foram retiradas de modo preventivo, incluindo os hotéis turísticos dos arredores da capital. Alguns habitantes compararam o impacto de Irma ao de outros dois memoráveis furacões que arrasaram Cuba: Wilma, em 2005, e Kate, em 1985. Não há confirmação de óbitos em Cuba, mas, até o momento, pelo menos 27 pessoas morreram na passagem do furacão pelo Caribe.

Veja também

Janet Yellen é confirmada como primeira secretária do Tesouro americano
EUA

Janet Yellen é confirmada como primeira secretária do Tesouro americano

Biden prevê atrasos nas negociações de ajuda financeira para a pandemia
EUA

Biden prevê atrasos nas negociações de ajuda financeira para a pandemia