Galáxia sem matéria escura é descoberta pela primeira vez

Elemento invisível e misterioso ajuda na formação dos sistemas estelares e sua ausência desafia teorias da formação de uma galáxia

Primeira galáxia sem matéria escuraPrimeira galáxia sem matéria escura - Foto: ESA/Hubble/ AFP

Astrônomos ficaram surpresos ao descobrir a primeira galáxia desprovida de matéria escura, um elemento invisível e misterioso que age como uma espécie de "cola" das galáxias e ajuda a sua formação. Essa observação "desafia as teorias habituais sobre a formação das galáxias", assegura Pieter van Dokkum, da Universidade de Yale (Estados Unidos), autor principal do estudo publicado nesta quarta-feira (28) na revista científica Nature.

"Trata-se de uma descoberta excepcional, já que as galáxias contêm supostamente mais matéria escura que matéria comum", indica o Instituto Dunlap para a Astronomia e a Astrofísica da Universidade de Toronto (Canadá), cujos pesquisadores participaram do estudo. 

Leia também:
[Vídeo] Astrônomos brasileiros descobrem anel em planeta anão vizinho de Plutão
Planetas Trappist-1 são rochosos e potencialmente ricos em água


A galáxia NGC 1052-DF2, ou DF2 de forma abreviada, se encontra a 65 milhões de anos-luz da Terra. Os cientistas já sabiam de sua existência, e ela faz parte das galáxias ultra difusas, cuja densidade é extremamente baixa. 

Embora seja maior que a nossa galáxia, a Via Láctea, a galáxia recém-descoberta contêm um número 250 vezes menor de estrelas. A matéria comum (os átomos), que compõe as estrelas, planetas, gases e poeira das galáxias, formam apenas 5% do universo. 

A matéria escura, que continua sendo um dos maiores enigmas da astrofísica contemporânea, formaria mais de 25% do universo. É invisível e só pode ser detectada através de seus efeitos gravitacionais sobre outros objetos do universo. Os cientistas acreditam que é a matéria escura que dá uma massa adicional às galáxias, produzindo uma maior gravidade que permite que as galáxias não se desagreguem.

Uma galáxia gira tão rápido que só a gravidade produzida pela matéria observável nela não é suficiente para mantê-la unida. "A matéria escura costuma ser considerada uma parte integrante das galáxias - é a cola que as mantém juntas e o andaime subjacente sobre o qual se constroem" -, resume a coautora do estudo Allison Merritt, da Universidade de Yale, citada em um comunicado do Observatório Europeu do Sul. 

Antes da descoberta, "pensava-se que todas as galáxias tinham matéria escura. Para uma galáxia deste tamanho, deveria haver 30 vezes mais matéria escura que matéria comum", indica Roberto Abraham, da Universidade de Toronto, à AFP. "Em vez disso, descobrimos que não havia nenhuma matéria escura. Isso não deveria ser possível", assegura. 

Merritt lembra que não existe nenhuma teoria que prediga este tipo de galáxias. "A maneira como se formam é totalmente desconhecida". A existência de galáxias sem matéria escura do tipo da DF2 poderia, paradoxalmente, debilitar as teorias cosmológicas que propõem alternativas à matéria escura, explicam os pesquisadores. 

A galáxia DF2 foi detectada por um telescópio óptico original chamado Dragonfly. Desde então, vários telescópios foram utilizados para estudá-la, entre eles o telescópio espacial Hubble. 

Veja também

Três mortos e vários feridos em ataque com faca na França; uma das vítimas foi degolada
França

Três mortos e vários feridos em ataque com faca na França; uma das vítimas foi degolada

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam