Google abre seu primeiro 'showroom'

A empresa inaugurou nesta quinta (20), em NY, um lugar para mostrar seus novos produtos

Anúncio foi feito em Petrolina, nesta terça-feira (13)Anúncio foi feito em Petrolina, nesta terça-feira (13) - Foto: Ana Maria/IPA/Petrolina

Não é exatamente uma loja, mas pode-se dizer que a Google debutou nesta quinta-feira (20) na venda ao público de carne e osso, em possível prelúdio de uma batalha com a Apple nesse terreno.

A Google inaugurou nesta quinta (20), no moderno bairro do Soho em Nova York, seu primeiro "showroom", um lugar para mostrar seus novos produtos que poderia ajudar a gigante da Internet a decidir se deverá abrir lojas e competir nesse âmbito com sua grande concorrente californiana.

Esse lugar de exposição "estará aberto até o final do ano e será o único que o Google abrirá", disse uma porta-voz, Chrissy Persico.

Segundo Persico, não se trata de um ensaio, mas de uma "extensão da operação de lançamento" do novo smartphone da Google, o Pixel.

"Queremos que as pessoas venham e possam provar nossos produtos", explicou.

Duas semanas depois de ter anunciado o primeiro smartphone "feito pela Google", o gigante de Mountain View apostou em atrair os consumidores para sua primeira "loja" em Nova York. Ali, não se pode comprar nada, porém. Nela, os vendedores conduzem os potenciais clientes à sua página na Internet e aos operadores telefônicos que vendem seus telefones.

Um espaço de 400 m2 de design cuidadoso tem produtos para testar, entre os quais se destacam tanto os novos telefones como suas últimas inovações em matéria de inteligência artificial (Google Home) e de realidade virtual (DreamView).

Batalha de plataformas
Os clientes caminham desde a entrada sobre um quadro gigante feito de 400 quadrados móveis de cores brilhantes que representam seu caminho ao "hardware". A empresa contratou uma dupla artistas do Brooklyn, Faile, para desenhar os corpos dos celulares.

Pela manhã, a "Google pop-up store" contava com poucos clientes, cerca de 30, muito longe das multidões que costumam acompanhar a inauguração das lojas da Apple. São oito apenas em Nova York e mais de 250 nos Estados Unidos.

Veja também

Piñera vota em plebiscito no Chile sobre mudança na Constituição
Chile

País sai às urnas neste domingo (25) para decidir sobre a elaboração de uma nova Constituição

Covid-19: OMS registra recorde de casos pelo terceiro dia consecutivo
Coronavírus

Covid-19: OMS registra recorde de casos pelo terceiro dia consecutivo