Governistas vencem eleição em Angola; opositores contestam

O candidato da sigla e atual ministro da Defesa, João Lourenço, 63, vai suceder José Eduardo dos Santos, 74, que está no poder há 38 anos

Bandeira nacional da AngolaBandeira nacional da Angola - Foto: Reprodução Internet

O partido governista Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA)  venceu a eleição presidencial de Angola com 61,10% dos votos, segundo dados provisórios divulgados pela comissão eleitoral nesta sexta-feira (25). O candidato da sigla e atual ministro da Defesa, João Lourenço, 63, vai suceder José Eduardo dos Santos, 74, que está no poder há 38 anos.

Até agora foram apurados 97,82% dos votos. O partido opositor Unita (União Nacional para a Independência Total de Angola) tem 26,71%.  O MPLA governa a Angola desde que o país conseguiu a independência de Portugal, em 1975 e já tinha previsto que ganharia a eleição com folga. O resultado, entretanto, mostra uma retração do apoio em relação a disputa de 2012.  

Leia também:
João Lourenço vence eleição para presidência de Angola, segundo projeção oficial
Com dois terços dos votos apurados, governistas lideram eleição em Angola

Lourenço se comprometeu a ampliar os investimentos estrangeiros na Angola e disse que quer ser reconhecido como um líder que levou o "milagre econômico" ao país africano.

Após o anúncio da vitória de Lourenço, a oposição questionou imediatamente os resultados. A eleição foi feita de forma indireta e os eleitores votaram nos partidos que vão compor a nova assembleia nacional.

"Temos resultados diferentes dos anunciados pela Comissão Eleitoral Nacional", afirmou Estevao Jose Kachiungu, membro da Unita. "É impossível que na Angola atual o MPLA ganhe em todas as províncias com tamanha vantagem".
O porta-voz do MPLA, João Martins, negou fraude e qualificou os opositores de "arrogantes".

Pobreza

Os partidos de oposição esperavam maior apoio por causa da revolta do eleitorado em temas como a inflação, que chegou a 40% em 2016, as baixas taxas de crescimento e o alto desemprego.

Apesar de ser rica em petróleo e diamantes, a Angola é um dos países mais pobres da África. A Anistia Internacional pediu para o próximo presidente de Angola "guiar o país para fora do espiral de opressão" e criticou o "registro terrível de direitos humanos" do atual presidente, José Eduardo dos Santos. Críticos acusam o mandatário de suprimir qualquer dissidência e enriquecer a sua família e a elite governante.

Veja também

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários
Privacidade

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19
Pandemia

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19