Governo adia diálogo com o ELN

Odín Sánchez, político do departamento de Chocó, é mantido como refém pelos rebeldes desde abril

Câmara de OlindaCâmara de Olinda - Foto: Google Maps

 

O governo da Colômbia decidiu adiar a instalação de diálogos de paz com o Exército de Libertação Nacional (ELN), prevista para a quinta (27), em Quito, no Equador, até ter “certeza” da libertação de um ex-congressista em poder dessa guerrilha.
“Vamos esperar para ver. Não podemos antecipar nada. Instalaremos quando tivermos certeza de que Odín Sánchez está são e salvo, libertado pelo Exército de Libertação Nacional (ELN)”, reiterou o ministro do Interior, Juan Fernando Cristo, enfatizando que essa “decisão” foi tomada pelo presidente Juan Manoel Santos.

Odín Sánchez, político do departamento de Chocó, é mantido como refém pelos rebeldes desde abril. Os negociadores de paz do governo com o ELN “não viajaram nem viajarão (a Quito) até que se tenha certeza” da entrega de Sánchez, completou.

Reação
O ELN reagiu declarando que não concorda com a decisão do governo de adiar as negociações de paz em Quito. “Não compartilhamos a suspensão da instalação da mesa”.

Em mensagem no Twitter, o Exército de Libertação Nacional (ELN) afirmou que “há um mal-entendido” com o governo, que está sendo contornado, e agradeceu o “esforço e apoio” das delegações sociais presentes em Quito para apoiar o processo de paz.

“Estamos tentando reprogramar a instalação da mesa para os próximos dias”, declarou o comandante Pablo Beltrán, chefe negociador do ELN, em outra mensagem no Twitter.
Em meio à polêmica, a operação para libertar Odín Sánchez “começou” com a participação de um organismo humanitário e da Igreja Católica, anunciou o chefe negociador do governo com os rebeldes.

 

Veja também

Latam Brasil entra com pedido de recuperação judicial nos EUA
Latam

Latam Brasil entra com pedido de recuperação judicial nos EUA

Mais de 550 mil mortes por coronavírus no mundo

Mais de 550 mil mortes por coronavírus no mundo