Governo chileno admite situações que 'parecem violações' dos Direitos Humanos

O diretor do Instituto Nacional de Direitos Humanos, Sergio Micco, garantiu que durante os dias de manifestações ocorreram "mais queixas por torturas, crueldades e atos degradantes do que durante todo o ano de 2018"

Exército foi deslocado para as ruas do paísExército foi deslocado para as ruas do país - Foto: Martin Bernetti/AFP

O governo chileno admitiu nessa terça-feira (29) situações envolvendo as forças da ordem que "parecem ser violações dos direitos humanos" durante a atual onda de protestos no país.

"Ocorreram situações que efetivamente, aparentemente, podem ser violações dos direitos humanos", declarou o ministro da Justiça e Direitos Humanos, Hernán Larraín, após reunião com representantes do Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH, estatal). Após o encontro, Sergio Micco, diretor do INDH, garantiu que durante os dias de manifestações ocorreram "mais queixas por torturas, crueldades e atos degradantes do que durante todo o ano de 2018".

Leia também:
Eduardo Bolsonaro diz que 'a história vai se repetir' se Brasil tiver protestos como no Chile
Mudanças no governo chileno tentam acalmar manifestantes
Ingredientes da crise no Chile estão em toda América Latina


Micco também destacou que dos cerca de 1.200 feridos, 571 foram por "armas de fogo, balas e tiros de cartucho". "Os números falam por si só (...). É uma situação de graves violações dos direitos humanos", disse Micco sobre a ação da polícia durante a onda de protestos deflagrada no dia 18 de outubro, que levou o governo a colocar os militares nas ruas pela primeira vez desde a volta da democracia, em 1990.

O encarregado de campanhas táticas e resposta da Anistia Internacional (AI), César Marín, declarou à AFP que está especialmente preocupado com as "denúncias de tortura sexual, uso excessivo da força e lesões oculares" por tiros de cartucho, e que "as mortes por ação direta de militares e policiais é o exemplo mais extremo de uma resposta inadequada".

Cinco das 20 mortes ocorridas durante a crise foram provocadas por militares e policiais, informou o INDH. Durante os protestos desta terça-feira, em Santiago, um observador do INDH ficou ferido por um tiro de cartucho em torno do Palácio de La Moneda.

Em mensagem nas redes sociais, o ministro do Interior, Gonzalo Blumel, lamentou o fato e pediu à polícia "que realize as investigações correspondentes" para esclarecer a origem do disparo.

Veja também

Centenas de baleias encalhadas são encontradas no sul da Austrália
Mundo

Centenas de baleias encalhadas são encontradas no sul da Austrália

Neurônios cansados podem provocar distorção na percepção do tempo
Ciência

Neurônios cansados podem provocar distorção na percepção do tempo