Governo da Romênia revoga decreto que descriminaliza corrupção e gerou protestos

Romenos continuaram mobilizados neste domingo, com novas manifestações, para manter a pressão sobre o governo social-democrata

O governo da Romênia revogou neste domingo (5) um decreto aprovado na última terça-feira que descriminalizava atos de corrupção e gerou protestos em massa no país.

"O governo aprovou o projeto de revogação do decreto", anunciou o Executivo social-democrata, cujos ministros participaram hoje de uma reunião extraordinária, frente ao maior movimento de protestos desde a queda do comunismo, em 1989.

Os romenos continuaram mobilizados neste domingo, com novas manifestações, para manter a pressão sobre o governo social-democrata.

"Espero que seja uma anulação verdadeira. Disseram que nos ouvirão, mas querem levar outro texto para o Parlamento. Vamos estar atentos, para que não nos enganem", disse Daniel, 35, expressando a desconfiança de muitos romenos, que também pedem a saída do atual governo.

Cerca de meio milhão de pessoas protestaram neste domingo, de acordo com estimativas de redes de televisão locais.

Esses canais informaram sobre manifestações de entre 200 e 300.000 pessoas em Bucareste, 45.000 em Cluj-Napoca e 40.000 em Timisoara. A esses balanços devem-se somar mobilizações em outras cidades e povoados país.

Muitos dos manifestantes pedem a renúncia do governo social-democrata de Sorin Grindeanu.

O decreto foi aprovado na última terça-feira pelo governo sem passar pelo Parlamento. Desde então, entre 200 mil e 300 mil pessoas saem às ruas diariamente para protestar.

"Não acreditamos", dizia, horas antes da revogação, o eletricista Florian, 40, na praça Victoriei, onde afirmou que o número de manifestantes será recorde, como nos últimos dias.

"Ainda há muita corrupção no governo, no Senado, em todo lado. Não aguentamos mais. Queremos líderes competentes, que governem para o povo, não para si mesmos e suas contas bancárias", criticou.

As manifestações dos últimos dias são históricas no país, de 20 milhões de habitantes, que enfrentou vários períodos de instabilidade política desde a queda da ditadura comunista, em 1989.

O primeiro-ministro, no cargo há um mês, disse que revogou o texto "para não dividir a Romênia".

Entre outras coisas, o decreto polêmico estabelecia um montante mínimo de 44 mil euros para começar a investigar crimes financeiros, e reduzia as penas por corrupção.

- Gritos de vitória -
O anúncio da noite de ontem foi recebido aos gritos de vitória por manifestantes reunidos em frente à sede do governo, em Bucareste, epicentro dos protestos, mas também em muitas cidades do país, com um total de 300 mil pessoas nas ruas, segundo a imprensa.

O premier afirmou que a reforma tinha o objetivo de alinhar o código penal à Constituição, bem como diminuir o número de presos.

Mas diante dos protestos, Grindeanu promete agora um novo projeto de lei, sem o mínimo de 44 mil euros.

Os manifestantes temem um retrocesso na luta contra a corrupção em relação aos últimos anos, quando, sob pressão da União Europeia (UE) e de juízes, os tribunais instruíram centenas de casos de corrupção, um giro histórico na Justiça do país.

O governo já havia sido criticado por querer proteger o líder do Partido Social-Democrata (PSD), Liviu Dragnea, 54, julgado por empregos fictícios.

Dragnea afirma que o decreto não o beneficiava, e que se trata de uma campanha de desinformação. Ele já está inabilitado pela Justiça, que o condenou no ano passado a dois anos de prisão com direito a sursis por fraude eleitoral. Seu julgamento por abuso de poder no caso de empregos fictícios começou na terça-feira.

O PSD, expulso em 2015 por grandes manifestações contra a corrupção, voltou a vencer nas eleições de dezembro passado.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump