Governo da Venezuela convoca eleições presidenciais antes de 30 de abril

O presidente Nicolás Maduro tentará a reeleição

Nicolás Maduro, presidente da VenezuelaNicolás Maduro, presidente da Venezuela - Foto: Miguel Gutierrez/Agência Lusa

A Assembleia Nacional Constituinte, que dirige a Venezuela com poder absoluto, anunciou nesta terça-feira a realização antes do dia 30 de abril das eleições presidenciais, em que o presidente Nicolás Maduro tentará a reeleição.

Leia também:
Maduro diz que desemprego caiu e pobreza se estabilizou na Venezuela
Venezuela paga US$ 262 milhões ao Brasil e evita calote

A Constituinte "acorda convocar para o primeiro semestre do ano de 2018 o processo eleitoral (...) Antes de 30 abril deverá haver eleições na Venezuela para escolher o presidente da República", anunciou o número dois do chavismo, Diosdado Cabello, ao ler o decreto aprovado de forma unânime.

As eleições presidenciais estavam previstas para o fim do ano, mas analistas e opositores advertiam que o governo as adiantaria para aproveitar a crise de credibilidade e divisões sofridas pela oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Cabello confirmou que Maduro será o candidato do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, situação). "Nós não vamos ter problemas, temos apenas um candidato para continuar com a revolução", manifestou, enquanto o plenário cantava: "Nicolás, Nicolás".

"Nós vamos vencer unidos", acrescentou o dirigente, que assegurou que será o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) - acusado pela oposição de servir ao governo - que fixará a data exata das eleições.

O legislador fundamentou a proposta de adiantamento do processo eleitoral como resposta às sanções impostas contra a Venezuela e vários de seus funcionários por parte dos Estados Unidos e da União Europeia, segundo ele com o objetivo de "buscar a mudança de governo".

"Se o mundo quer aplicar sanções, nós aplicaremos eleições (...) Poderes imperiais e poderes fáticos desataram uma campanha sistemática e de ódio contra a Venezuela", acrescentou o influente dirigente chavista da tribuna do hemiciclo parlamentar.

Na segunda-feira, a União Europeia aprovou sanções contra sete funcionários venezuelanos de alto escalão, entre eles Cabello, o que o governo venezuelano qualificou de um "golpe ao diálogo" que manteve desde 1º de dezembro com a MUD na República Dominicana.

Ao justificar sua proposta, Cabello também argumentou que a oposição se retirou do diálogo com "desculpas fúteis", se referindo à ausência da MUD na quarta rodada que estava prevista para quinta-feira passada, e à qual faltou assinalando que chanceleres facilitares não iriam comparecer.

Veja também

Argentina supera 5 mil mortos por Covid-19
Coronavírus

Argentina supera 5 mil mortos por Covid-19

China alerta EUA para que 'não brinque com fogo' em relação a Taiwan
Mundo

China alerta EUA para que 'não brinque com fogo' em relação a Taiwan