Greve contra reforma da Previdência paralisa parcialmente a França

A mobilização é contra um 'sistema universal' de aposentadoria, que o governo planeja usar para substituir os 42 regimes de aposentadoria

Protestos na França contra reforma da PrevidênciaProtestos na França contra reforma da Previdência - Foto: Philippe LOPEZ / AFP

A mobilização na França contra uma reforma previdenciária entra, neste sábado (7), em seu terceiro dia com o país parcialmente paralisado por greves, especialmente dos transportes, em um contexto de confronto entre sindicatos e o governo de Emmanuel Macron.

Os três principais sindicatos ferroviários do país se reuniram neste sábado e acordaram reforçar sua mobilização a partir da segunda-feira para que o governo volte atrás em seu projeto de reforma.

Na última quinta-feira, no início dos protestos, as manifestações reuniram cerca de 800.000 pessoas em todo o país, ou seja, mais pessoas do que nos primeiros dias das maciças mobilizações sociais de 1995, 2003 e 2010.

Leia também:
França enfrenta segundo dia de greve contra Reforma da Previdência
Greve e protestos na França contra a reforma da Previdência de Macron


A mobilização deste ano é contra um "sistema universal" de aposentadoria, que o governo planeja usar para substituir os atuais 42 regimes de aposentadoria existentes (geral, funcionários públicos, setor privado, especiais, autônomos, complementares).

O Executivo francês promete um dispositivo "mais justo", mas aqueles que se opõem a ele - quase todos os sindicatos, a oposição de esquerda - temem maior "insegurança" para os aposentados.

A aposentadoria é uma questão muito delicada na França. Os opositores mais radicais esperam que a mobilização dure e o país fique paralisado, como aconteceu em dezembro de 1995. A greve durou três semanas e obrigou o governo a recuar.

Dias decisivos
Para o presidente Macron, que fez da "transformação" da França a essência de seu mandato, os próximos dias serão decisivos.

O Executivo enfrenta um sério desafio em um contexto social já muito tenso, com a mobilização sem precedentes dos "coletes amarelos" há mais de um ano e o descontentamento exacerbado nos hospitais e prisões, ou entre professores, ferroviários, agricultores e policiais.

Além disso, essa greve cria tensão entre os usuários do transporte público, principalmente nas grandes cidades, como na região de Paris.

O projeto de reforma ainda não foi totalmente revelado - embora vários de seus princípios tenham sido avançados - e o primeiro-ministro Edouard Philippe prometeu que divulgaria na quarta-feira "a integralidade do projeto do governo".

Philippe acrescentou que não se insere em uma "lógica de confronto".

Mas isto poderia atenuar o risco de uma convulsão social na França?

"Nada muda no objetivo do governo: acabar com nosso sistema solidário para substituí-lo por um sistema individualizado no qual todos perdem", lamentou a CGT, outro dos principais sindicatos do país.

Evitar os trens
Enquanto isso, os usuários do transporte público continuarão tendo muitas dificuldades para se locomover.

A greve dos transportes continua e, neste fim de semana, faltando menos de 20 dias para as festas de fim de ano, anuncia-se muito complicada.

Nove das 15 linhas do metrô de Paris estão totalmente fechadas neste sábado e, nas demais, o tráfego é muito limitado.

Apenas 15% dos trens suburbanos funcionaram, assim como um em cada seis trens de alta velocidade.

Em Nantes (oeste), 2.800 pessoas foram às ruas para protestar contra a reforma da Previdência e a precariedade em uma manifestação tensa, com confrontos entre participantes e a Polícia.

Em Paris ocorreu outra manifestação do movimento dos 'coletes amarelos', como costuma acontecer aos sábados, com mil participantes, em que também houve confrontos esporádicos com a Polícia.

A próxima segunda-feira, o quinto dia de greve, também deverá ser difícil: a companhia ferroviária nacional, SNCF, até recomendou aos viajantes da região parisiense a evitar os trens suburbanos e intermunicipais, já que a grande afluência pode deixar as estações perigosas.

No transporte aéreo, hoje está sendo mais calmo do que quinta e sexta-feira: são esperados apenas atrasos e algumas perturbações, segundo a Direção Geral de Aviação Civil.

Os profissionais do turismo e do comércio na França, por sua vez, começam a manifestar sua preocupação com as consequências deste movimento social, que pode se prolongar.

Em Lyon (centro-leste), havia vagas nos hotéis, apesar de normalmente ser impossível encontrar alojamento nesta cidade durante o fim de semana, quando se celebra sua famosa Festa das Luzes.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump