Greve Global pelo Clima deve levar milhões às ruas nesta sexta-feira

Há manifestações marcadas em mais de 130 países

Protesto de estudantes britânicos chamando atenção sobre a mudança climáticaProtesto de estudantes britânicos chamando atenção sobre a mudança climática - Foto: Maria Betânia Silva/Cortesia

Uma greve global pelo clima começou sexta-feira (20) em mais de 130 países. O objetivo é exigir ações concretas contra as mudanças climáticas. “Estamos a lutar por nós, pelos nossos amigos, pela nossa família e pelo rapaz que mora na nossa rua. Estamos a lutar porque é essa a nossa obrigação”, explica Katie Eder, a ativista de 19 anos responsável por três organizações dedicadas ao meio ambiente e ao impacto social.

Entre os vários cartazes dos milhares de participantes, frases como “a temperatura está aumentar”, “este é o nosso futuro”, “salvem a Terra, amem a vida” lideraram o protesto.

Leia também:
TST determina que Correios pague funcionários durante período de greve
Amazon Music é lançado oficialmente no Brasil
Bolsonaro vai tratar de política ambiental em discurso da ONU

Esta é apenas a terceira greve de uma série mundial de comícios climáticos. A maioria é organizada por estudantes e liderada por Greta Thunberg, a ativista sueca de 16 anos, que recentemente cruzou o Atlântico de barco.

Neste mês, além dos jovens, as manifestações vão contar também com a presença de várias associações humanitárias, sociedades dedicadas às causas ambientais e, ainda, vários funcionários de algumas das maiores marcas comerciais do mundo, como a Amazon e a Microsoft.

De acordo com Greta, que atualmente se encontra em Nova Iorque para a Cimeira Climática das Nações Unidas, que terá início na próxima segunda-feira (21), foram organizados cerca de 4.638 eventos em 139 países.

O objetivo das greves é pressionar os políticos e outros membros do poder levando-os a agir, de forma a resolver a atual crise climática e a prevenir o aparecimento de outras no futuro.

Para a adolescente Katie Eder, diretora executiva da Future Coalition – uma organização americana sem fins-lucrativos focada em promover mudanças sociais -, a manifestação desta sexta-feira serve, sobretudo, para conseguir um novo acordo ambiental (“Green New Deal”).

Desde a cessação imediata de projetos fósseis em terras indígenas, à implementação de uma agricultura sustentável, vários são os aspetos que os jovens querem ver ser atendidos.“Estamos a lutar por nós, pelos nossos amigos, pela nossa família e pelo rapaz que mora na nossa rua. Estamos a lutar porque é essa a nossa obrigação”, defende esta jovem de 19 anos.

Na cidade de Nova Iorque mais de 1 milhão de alunos das escolas públicas estão autorizados a faltar às aulas, nesta sexta-feira, para poderem participar na manifestação se os pais assim o permitirem.

Veja também

Nova Zelândia retoma confinamento em sua maior cidade após novo caso de coronavírus
Pandemia

Nova Zelândia retoma confinamento em sua maior cidade após novo caso de coronavírus

Plano de recuperação de Biden aprovado pela Câmara antes de seguir para o Senado
EUA

Plano de recuperação de Biden aprovado pela Câmara antes de seguir para o Senado