Grupo Estado Islâmico reivindica autoria de atentado no Sinai

O ministério do Interior egípcio tinha informado que os atacantes, enquanto disparavam granadas, tentaram dirigir o caminhão até o posto de controle

Projeto Cidade Pacífica foi apresentado e discutido com parlamentares, na Cãmara Federal.Projeto Cidade Pacífica foi apresentado e discutido com parlamentares, na Cãmara Federal. - Foto: Divulgação

O braço egípcio do grupo Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta terça-feira (10) o atentado em que morreram sete policiais e um pedestre na segunda-feira em Al Arish, cidade costeira do norte da península do Sinai.

Leia mais: Caminhão-bomba mata 8 policiais no Sinai egípcio

"Soldados do califado" lançaram um ataque "com carros-bomba contra um posto de controle policial", segundo um comunicado da Província do Sinai, braço egípcio da organização extremista EI.

O ministério do Interior egípcio tinha informado na segunda-feira que os atacantes, enquanto disparavam granadas, tentaram dirigir o caminhão até o posto de controle, mas a polícia abriu fogo e a explosão se deu antes de atingir seu objetivo.

O ministério informou, ainda, que além dos sete policiais e do pedestre, cinco atacantes perderam a vida.

Veja também

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd
George Floyd

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd
EUA

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd