Guaidó pede a líderes do G7 que incluam crise da Venezuela na agenda

Dos países do G7 - integrado por Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Canadá, Itália e Japão - os cinco primeiros reconhecem o líder opositor como presidente interino

Guiadó Guiadó  - Foto: Federico Parra/AFP

O chefe parlamentar Juan Guaidó, reconhecido como presidente inteirino da Venezuela por cerca de 50 países, pediu aos líderes do G7 que incluam a crise da Venezuela na agenda da cúpula celebrada na França, informou neste domingo (25) o Parlamento venezuelano.

Em uma mensagem, Guaidó pediu aos presidentes do G7 considerar em sua agenda "a crise na Venezuela" assim como "explorar e coordenar uma ação comum que permita sanções exemplares contra violadores de direitos humanos", informou a Assembleia Nacional, de maioria opositora, em nota.

Leia também:
EUA querem saída de Maduro e Guaidó diz que regime 'se contradiz'
Países que apoiam Guaidó apostam nas sanções dos Estados Unidos


Dos países do G7 - integrado por Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Canadá, Itália e Japão - os cinco primeiros reconhecem o líder opositor como presidente interino. Itália e Japão não o reconhecem, mas são favoráveis a novas eleições.

Na carta, o líder opositor destacou que "a crise humanitária complexa que vive Venezuela" foi "provocada pelo regime usurpador de Nicolás Maduro" e "afeta gravemente os cidadãos e a estabilidade da região".

A cúpula do G7, que começou em 24 de agosto e terminará nesta segunda-feira, teve entre seus temas centrais os devastadores incêndios florestais da Amazônia.

Veja também

Opas afirma que Venezuela pode receber vacinas anticovid da Johnson & Johnson em junho
Vacinas

Opas afirma que Venezuela pode receber vacinas anticovid da Johnson & Johnson em junho

Cerca de 1,5 mil foguetes foram lançados contra Israel esta semana, afirma Exército israelense
Conflito

Cerca de 1,5 mil foguetes foram lançados contra Israel esta semana, afirma Exército israelense