Guaidó volta à Venezuela para liderar manifestações

Oposicionista participará de manifestações previstas para os próximos dias contra o governo de Nicolás Maduro

Juan GuaidóJuan Guaidó - Foto: AFP

O líder oposicionista da Venezuela, Juan Guaidó, desembarcou no aeroporto internacional Simon Bolívar, que serve Caracas, às 12h22 (13h22 em Brasília) desta segunda-feira (4). A chegada foi pacífica e não houve impedimentos para o seu desembarque em solo venezuelano, de acordo com a TV Venezuela, sediada em Miami, que transmitiu ao vivo do aeroporto.

O oposicionista, reconhecido por mais de 50 países como presidente interino da Venezuela, avisou em seu Twitter que havia chegado, após passar pela alfândega, e depois acrescentou: "Entramos na Venezuela como cidadãos livres, que ninguém nos diga o contrário".

No domingo (3), em uma transmissão ao vivo nas redes sociais, ele havia afirmado que retornaria à Venezuela para liderar as manifestações marcadas pelo país durante o Carnaval, sem dizer como faria para retornar. O oposicionista passou a última semana viajando pela América Latina em busca de apoio para a condução de uma transição democrática.

Leia também:
Em transmissão ao vivo, Guaidó convoca mobilização
Governo brasileiro pede segurança na volta de Guaidó à Venezuela
Guaidó pretende anistiar militares e civis 
Proibido de deixar a Venezuela, Guaidó teve as contas bloqueadas pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), alinhado a Maduro, e enfrenta agora a possibilidade de ser preso. "Se o regime [do ditador Nicolás Maduro] se atrever a me sequestrar, será o último erro que ele cometerá", disse, classificando seu retorno como um "desafio histórico". Guaidó repetiu as palavras da secretária-adjunta para assuntos do Hemisfério Ocidental do governo norte-americano, Kimberly Breier, que afirmou, na sexta (1º), que prender o oposicionista seria "o último erro que o regime cometeria".

 

Veja também

Na 1ª conversa com Putin, Biden confirma acordo nuclear e lista temas incômodos
EUA

Na 1ª conversa com Putin, Biden confirma acordo nuclear

Reino Unido é o primeiro país europeu a superar marca de 100 mil mortes por Covid-19
Coronavírus

Reino Unido é o primeiro país europeu a superar marca de 100 mil mortes por Covid-19