Mundo

Herdeiro da Samsung é liberado após 22 horas de interrogatório

Lee Kun-Hee também é acusado de ter cometido perjúrio perante uma comissão de investigação parlamentar

A regulamentação prevê que até 2030 a emissão de carbono será zerada na ilha por meio do Projeto Noronha Carbono ZeroA regulamentação prevê que até 2030 a emissão de carbono será zerada na ilha por meio do Projeto Noronha Carbono Zero - Foto: Divulgação

O herdeiro da gigante sul-coreana Samsung, Lee Jae-Yong, foi liberado nesta sexta-feira (13) após um longo interrogatório na investigação do gigantesco escândalo de corrupção na Coreia do Sul que culminou na destituição da presidente, Park Geun-Hye.

Os investigadores vão decidir no fim de semana se será solicitado à justiça o envio de uma ordem de prisão por corrupção e abuso de poder ao herdeiro do primeiro grande conglomerado do país, informou o porta-voz da equipe de investigação, Lee Kyu-Chul.

Lee Jae-Yong, vice-presidente da Samsung Electronics, foi interrogado durante 22 horas em relação a um pressuposto delito de suborno.

"O interrogatório foi muito extenso por haver muitas coisas a serem com ele verificadas, além de divergências" entre a versão dos feitos dos investigadores e a de Lee, complementou Lee Kyu-Chul.

Lee Kun-Hee, filho do presidente do grupo Samsung e neto do fundador, também é acusado de ter cometido perjúrio perante uma comissão de investigação parlamentar quanto ao escândalo que sacode a Coreia do Sul, segundo investigadores especiais.

Esse caso de corrupção, que provocou uma crise política na Coreia do Sul, gira em torno da influência exercida por Choi Soon-Sil, de 40 anos e amiga da presidenta Park.

A chamada "Rasputina sul-coreana" está sendo julgada atualmente por ter utilizado sua relação com Park para obter enormes quantidades de dinheiro para grandes conglomerados sul-coreanos, que, por sua vez, pagavam milhões de dólares a fundações privadas criadas por ela.

A Samsung, o maior grupo industrial do país, foi o mais generoso, doando 20 bilhões de wons (17 milhões de dólares) às fundações de Choi, seguidas da Hyundai, SK Group, LG Corporation e Lotte Co.

A empresa sul-coreana é suspeita também de ter financiado a formação equestre da filha de Choi na Alemanha.

Nas últimas semanas, os investigadores interrogaram em várias ocasiões os dirigentes da Samsung e levaram em conta registros nos locais em que a companhia atua.

Eles também podiam pedir a prisão de outros três dirigentes da Samgung, ressaltou o porta-voz.

Mais de dez pessoas foram detidas pelo caso, dentre elas Choi e sua sobrinha, os ex-ministros da Cultura e de Assuntos Sociais, um ex-diretor do gabinete presidencial e um professor universitário.

Veja também

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas
Ataque

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo, segundo agência europeia
Internacional

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo