Hillary Clinton abraça Donald Trump no Halloween japonês

Mas calma, ato simbólico foi feito por fakes dos candidatos. Japoneses usavam máscaras dos americanos na festa

Senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE)Senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE) - Foto: Agência Senado

Tóquio vive uma grande ressaca nesta segunda-feira (31), após dois dias de festas Halloween, nos quais os japoneses, habitualmente muito reservados, utilizaram fantasias de personagens de histórias de terror, mas também máscaras de personalidades como Hillary Clinton e Donald Trump.

No Japão, a indústria do Halloween movimenta milhões de dólares. Alguns cálculos mostram que quase 20 milhões de pessoas participam na festividade comercial. As lojas estão decoradas com abóboras esculpidas e os restaurantes oferecem pratos e bebidas temáticas.

Como este ano o Halloween cai em uma segunda-feira, os desfiles aconteceram no fim de semana em Tóquio e Kawasaki, uma cidade ao sul da capital. Entre bebidas e pessoas fantasiadas como Harry Potter, Elvis Presley, entre outros, se destacavam os candidatos à presidência dos Estados Unidos.

"Como é Halloween vim oferecer um ramo de oliveira a Donald", afirmou uma pessoa vestida com uma máscara da candidata democrata, que abraça alguém fantasiado como Donald Trump.

"Não é tão ruim", disse. Eriko Yoshino, vestida como o personagem Tweedledum de Alice no País das Maravilhas, contou à AFP que começou a celebrar o Halloween quando os filhos entraram na pré-escola.

"As crianças adoram e é divertido usar roupa elaborada e cozinhar com abóbora", disse, antes de admitir que se contenta com pratos para micro-ondas. Mitsuo Kaneshiro, um japonês de 29 anos vestido com uma capa de Batman, tenta explicar o fascínio com os disfarces.

"É bom poder escapar da vida cotidiana. Amanhã vou retornar ao escritório com terno e gravata", confessa.

Veja também

Líder de seita de escravas sexuais é condenado a 120 anos de prisão
EUA

Líder de seita de escravas sexuais é condenado a 120 anos de prisão

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra
Coronavírus

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra