Hillary Clinton também quer vencer a batalha pelo Congresso

Democrata afirmou que não vai mais responder aos ataques e provocações do rival republicano, Donald Trump

Gomes denuncia: PSDB não está honrando  o combinadoGomes denuncia: PSDB não está honrando o combinado - Foto: André Nery

Em vantagem nas pesquisas, a candidata democrata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, afirmou no sábado (22) que até o fim da campanha também vai trabalhar para conquistar o controle do Congresso, atualmente com maioria republicana.

Em declarações a bordo do avião de campanha, a ex-secretária de Estado afirmou que não vai mais responder aos ataques e provocações do rival republicano, Donald Trump, que no sábado anunciou que pretende processar as mulheres que o acusam de agressões sexuais ou assédio.

"Nas viagens que faremos nos últimos 17 dias de campana insistiremos na importância de eleger democratas em todos os níveis", afirmou Hillary Clinton, determinada a capitalizar a divisão que reina entre os republicanos a respeito da candidatura de Trump.

No dia 8 de novembro, os americanos definirão o próximo ocupante da Casa Branca, mas também devem escolher os representantes da Câmara para um mandato de dois anos e um terço dos senadores, que permanecerão no Congresso por seis anos.

As duas Casas do Congresso são dominadas atualmente pelos republicanos, mas os democratas têm grandes chances de recuperar o Senado.

Clinton disse que durante o restante da campanha pretende ignorar as declarações de Donald Trump.

"Discuti com ele durante quatro horas e meia (ao longo de três debates na TV). Não tenho a intenção de respondê-lo", afirmou.

"Pode afirmar o que quiser. Pode conduzir sua campanha como desejar. Eu deixarei que os americanos escolham entre o que ele propõe e o que nós propomos", disse.

"Todas mentirosas"

Atrás nas pesquisas, Trump tentou retomar a ofensiva e anunciou as medidas que tomaria nos primeiros 100 dias de seu eventual governo. Na realidade, ele voltou a enunciar propostas que já havia mencionado nos últimos meses, ao mesmo tempo que repetiu seus ataques, por exemplo contra as mulheres que o acusam de agressões sexuais.

"São todas mentirosas e serão processadas depois da eleição", afirmou em um comício na cidade histórica de Gettysburg, Pensilvânia.

Ao citar um famoso discurso do presidente Abraham Lincoln (1861-1865) em 1863, prometeu um governo "do povo, pelo povo e para o povo".

Mais uma vez o republicano voltou a alertar sobre a possibilidade de uma fraude na eleição de 8 de novembro.

"Há uma quantidade tão grande de anomalias. É incrível: 1,8 milhão de pessoas que morreram estão inscritas nos registros eleitorais, e algumas delas votam! Eu me pergunto como é possível", ironizou.

O republicano prometeu criar "ao menos 25 milhões de empregos em uma década", conter a imigração ilegal, impor limites aos mandatos parlamentares, renegociar o Acordo de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta, em inglês), sair da Parceria Transpacífico e revogar a reforma de saúde feita pelo presidente Barack Obama, entre outros pontos.

A classe média será agraciada com um corte de impostos de 35% e redução das taxas universitárias.

Trump disse também que cancelará "bilhões em pagamentos aos programas da ONU para mudança climática" e usará essa economia - segundo ele - "para reparar a infraestrutura ambiental e de água". A promessa é destinar US$ 1 bilhão para investimentos em infraestrutura nos próximos dez anos.

Ao mesmo tempo, garantiu que retomará os programas de desenvolvimento de energias fósseis.

Trump não se esqueceu de suas propostas contra a imigração e prometeu instaurar "controles extremos" nas zonas fronteiriças, além de erguer um muro na fronteira com México.

"Nossa campanha representa o tipo de mudança que só acontece uma vez na vida", disse o magnata.

"Hillary Clinton não está em campanha contra mim, e sim contra a mudança", completou.

"A ira não é um projeto"

Hillary Clinton ironizou a presença do republicano "em um dos locais mais extraordinários da história americana". 

"O que disse basicamente é que se ele for presidente, vai passar o tempo processando mulheres que apresentaram acusações contra ele com base em seu comportamento".

"Está acontecendo algo realmente fantástico nesse momento. As pessoas estão se juntando (democratas, republicanos, independentes...) para rejeitar o ódio e as divisões", afirmou durante um comício na Filadélfia.

Ovacionada, acrescentou: "A ira não é um projeto".

A duas semanas e meia da eleição, as pesquisas são favoráveis a Hillary, que completa 69 anos na próxima quarta-feira.

A média das últimas pesquisas concede a Hillary uma vantagem de seis pontos no país (45,2% contra 39,2% de Trump), e ela aparece como vencedora em dez dos 13 estados-chave, entre eles Flórida (sudeste), Pensilvânia, Michigan (norte) e Carolina do Norte (sudeste).

Veja também

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore
Estados Unidos

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore

Indonésia enfrenta possível explosão da natalidade após a pandemia
Notícias

Indonésia enfrenta possível explosão da natalidade após a pandemia