Hillary diz que quer trabalhar com Trump e deseja a ele sucesso como presidente

Para a candidata democrata, as eleições mostraram que o país está dividido

Geraldo Júlio e Paulo Câmara emitiram nota de pesarGeraldo Júlio e Paulo Câmara emitiram nota de pesar - Foto: Divulgação/Aluisio Moreira/SEI

A candidata democrata derrotada na disputa pela presidência americana, Hillary Clinton, propôs nesta quarta-feira (9) trabalhar com seu rival Donald Trump, a quem ela desejou sucesso.

Saiba mais:
Hillary liga para Trump e reconhece derrota
Veja o que o mundo disse da vitória de Donald Trump
Trump ganha eleições americanas e vira memes nas redes
Em seu primeiro discurso, Trump adota tom conciliador
Medo entre muçulmanos após vitória de Trump


"Espero que ele tenha sucesso como presidente de todos os americanos", declarou Hillary, considerando que esta eleição mostrou que os Estados Unidos "estão mais divididos do que pensávamos".

Em seu primeiro discurso, a candidata democrata Hillary Clinton também pediu desculpas por não ter vencido o pleito para Presidência dos EUA e afirmou que "devemos aceitar o resultado".

"Lamento não termos ganhado esta eleição", disse Clinton na abertura de seu discurso. "Nós apreciamos a transferência pacífica do poder. Nós devemos defender os valores americanos. O sonho americano é grande o suficiente para todos."

Hillary conclamou seus simpatizantes a dar uma chance para o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, num apelo por uma transição pacífica após uma das campanhas mais agressivas dos últimos tempos. "Devemos a ele uma mente aberta e uma chance de liderar."

A agora ex-presidenciável democrata se pronunciou pela primeira vez após perder a eleição para Trump, em coletiva na tarde desta quarta-feira (9), num hotel em Nova York. Apareceu acompanhada do marido, o ex-presidente Bill, e a filha, Chelsea. Sorria, mas também parecia segurar lágrimas.

"Sei o quão desapontado vocês se sentem, eu me sinto assim também. Isso é doloroso e será por um longo tempo", disse após virulenta campanha, na qual foi chamada de "mulher nojenta" e "Hillary trapaceira" pelo rival republicano, e rebateu dizendo que metade de seus eleitores eram "deploráveis". "Espero que ele vá ser um presidente bem-sucedido para todos os americanos", afirmou.

O palco em forma de mapa americano estava pronto para ela discursar na noite anterior, num centro de convenções na cidade. A expectativa para aquela ser sua festa da vitória, contudo, não se concretizou. Desistiu de falar no dia.

Fogos de artifício já estavam a postos no local. Espatifariam, literalmente, o "telhado de vidro" ao qual Hillary se refere para falar dos limites impostos ao avanço feminino no país.

Ao virar a primeira mulher candidata à Casa Branca por um grande partido, ela comemorou ter provocado uma rachadura nessa barreira invisível no plano físico, mas tão real num país onde mulheres ganham em média US$ 0,64 para cada dólar faturado por homens para trabalhos similares (no Brasil é pior: US$ 0,48 para US$ 1, segundo o mesmo relatório do Fórum Econômico Mundial).

"Para todas as mulheres, sobretudo as meninas, que apostaram em mim, saibam que nada me fez mais orgulhosa do que ser sua campeã. Sei que a gente ainda não estilhaçou aquele teto de vidro. Mas, um dia, alguém vai. E espero que aconteça mais cedo do que hoje imaginamos."

Veja também

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore
Estados Unidos

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore

Indonésia enfrenta possível explosão da natalidade após a pandemia
Notícias

Indonésia enfrenta possível explosão da natalidade após a pandemia