Hong Kong permanece sob tensão contra projeto de lei sobre extradição

Segundo os organizadores, o evento realizado no domingo atraiu cerca de 1,7 milhões de pessoas

Greve e protestos em Hong KongGreve e protestos em Hong Kong - Foto: Philip Pacheco/ AFP

Algum nível de paz retornou a Hong Kong no dia seguinte a um protesto pacífico contra um controverso projeto de lei sobre extradição. Mas ainda não há sinais de um fim para a crise na ex-colônia britânica.

Segundo os organizadores, o evento realizado no domingo atraiu cerca de 1,7 milhões de pessoas. Eles afirmam que foi a segunda maior mobilização popular desde junho, quando uma manifestação teria atraído cerca de 2 milhões de pessoas em protesto.

Partindo do local designado para o protesto, os manifestantes se espalharam e começaram a ocupar as principais vias, mas não houve nenhum relato de confronto com a polícia.


Leia também:
Uso da força em Hong Kong pode afetar acordo dos EUA com a China
Manifestantes voltam a protestar em Hong Kong



Reportagens sobre a manifestação ocuparam a primeira página em jornais da região.

Um dos jornais louvou os manifestantes, afirmando que eles haviam feito pedidos de forma racional ao governo. Mas um jornal pro-Pequim chamou o evento de uma mobilização ilegal.

O governo de Hong Kong afirmou que, no geral, a manifestação foi pacífica, mas autoridades salientaram que os manifestantes estavam causando transtornos para a sociedade ao bloquear as principais vias.

O governo manifestou ainda sua intenção de estabelecer um diálogo com o público caso a situação se estabilize.

No entanto, organizadores dos protestos afirmam que já estão planejando uma passeata com destino ao gabinete de ligação com o governo chinês no final deste mês.

Veja também

Surfista no Havaí perde a prancha e a encontra dois anos depois nas Filipinas
havaí

Surfista no Havaí perde a prancha e a encontra dois anos depois nas Filipinas

Em discurso na Assembleia Geral, Trump diz que ONU deve responsabilizar China pela pandemia
ONU

Em discurso na Assembleia Geral, Trump diz que ONU deve responsabilizar China pela pandemia