Implante cerebral transformará pensamentos em palavras

Testes já foram realizados em cinco pacientes e os cientistas obtiveram êxito no experimento

Com a tecnologia, os pacientes estarão habéis a transformar o pensamento em palavras com maior rapidezCom a tecnologia, os pacientes estarão habéis a transformar o pensamento em palavras com maior rapidez - Foto: Reprodução/ Internet

Um grupo de pesquisadores está trabalhando em um decodificador que transformará os sinais cerebrais em palavras e poderá permitir que as vítimas de derrame cerebral ou paralisia falem, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira (23).

Esses cientistas inventaram um decodificador para reproduzir palavras sintetizadas por computador, a partir dos sinais cerebrais que ativam os movimentos correspondentes na boca. Apresentada na revista Nature, esta técnica está em estágio inicial e sua implementação levará tempo.

No entanto, os cientistas esperam que algum dia beneficie pacientes que sabem falar mas que perderam a capacidade."Nosso objetivo a longo prazo é criar uma técnica para restabelecer a comunicação em pacientes que não podem falar, seja por problemas neurológicos como derrames cerebrais ou doenças como certos tipos de câncer", disse à AFP um dos autores do estudo, Edward Chang, da Universidade da Califórnia em São Francisco (UCSF).



Leia também:
Tecnologia traz a fala de volta para pacientes do HCP
Petrolina receberá teste de tecnologia de 'blindagem' contra mosquito da dengue
Cientistas reativam funções de células cerebrais de porcos mortos

Já existem dispositivos que ajudam esses pacientes a compor palavras letra por letra por meio de movimentos dos olhos ou da cabeça. Mas ainda que melhorem a qualidade de vida, estes sistemas são lentos e servem para produzir cerca de 10 palavras por minuto, em vez das 150 em condições normais. Daí a ideia dos cientistas de buscar diretamente as palavras na fonte, o cérebro.

Eles realizaram um experimento com cinco pacientes tratados para epilepsia, em cujos cérebros colocaram eletrodos. Os pesquisadores primeiro pediram a estes pacientes que lessem em voz alta algumas orações pré-definidas. O objetivo era identificar, graças aos eletrodos, os sinais cerebrais responsáveis pela articulação das palavras.

Depois, decodificaram estes sinais associando os movimentos necessários para a pronúncia, nas mandíbulas, na língua, nos lábios e na laringe. Finalmente, sobre a base destes movimentos, reproduziram tais orações por computador.

Veja também

Brasileiros protestam em Lisboa contra o presidente Bolsonaro
Manifestações

Brasileiros protestam em Lisboa contra o presidente Bolsonaro

Pela 1ª vez, EUA celebram feriado nacional que marca fim da escravidão no país
Juneteenth

Pela 1ª vez, EUA celebram feriado nacional que marca fim da escravidão no país