Índia anuncia ataques "cirúrgicos" na Caxemira

Primeiro-ministro paquistanês condenou os bombardeios e o exército do país acusou as tropas indianas pela morte de dois soldados na linha de controle

Comediante Gustavo PardalComediante Gustavo Pardal - Foto: Divulgação

O governo indiano anunciou nesta quinta-feira (29) que executou ataques "cirúrgicos" contra campos rebeldes na linha de demarcação da Caxemira, fronteira de fato entre Índia e Paquistão, o que provocou a revolta de Islamabad, que informou a morte de dois soldados.

"Vários terroristas estavam posicionados em bases ao longo da linha de controle para entrar clandestinamente (na Índia) e cometer ataques terroristas. O exército indiano realizou bombardeios cirúrgicos na noite passada contra estas posições", afirmou o tenente-coronel Ranbir Singh.

"Os ataques deixaram um número significativo de vítimas entre os terroristas e aqueles que tentam apoiá-los", completou o militar.

Singh não explicou se os ataques aconteceram por via terrestre ou aérea.

O primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, condenou os bombardeios e o exército do país acusou as tropas indianas pela morte de dois soldados na linha de controle.

Em um comunicado, Sharif condenou "a agressão não provocada e brutal das forças indianas" e prometeu que seu exército frustraria "qualquer plano diabólico para abalar a soberania do Paquistão".

"As tropas paquistanesas responderam aos ataques indianos não provocados na linha de controle", afirmou o exército, ao mesmo tempo que anunciou o balanço de dois soldados mortos.

O governo indiano havia anunciado a intenção de adotar medidas de represália após o ataque contra uma de suas bases na Caxemira no dia 18 de setembro, que matou 18 militares.

O ataque foi executado pelo grupo extremista Jaish-e-Mohamed, que sua base no Paquistão.

A Índia acusa o Paquistão de apoiar a rebelião armada e as infiltrações na parte da Caxemira controlada por Nova Délhi, algo que Islamabad nega.

Os países vizinhos reivindicam a região himalaia da Caxemira desde 1947. Dezenas de milhares de pessoas, em sua maioria civis, morreram no conflito.

Veja também

Trump e Biden visitam estados-chave no último fim de semana antes das eleições nos EUA
EUA

Trump e Biden visitam estados-chave no último fim de semana antes das eleições nos EUA

Boris Johnson anuncia novo 'lockdown' na Inglaterra para conter a covid-19
Coronavírus

Boris Johnson anuncia novo 'lockdown' na Inglaterra para conter a covid-19