Integrantes da Al Qaeda mortos em ataque no Iêmen

Segundo uma autoridade iemenita, as forças americanas atacaram alvos da Al Qaeda

País vive conflito desde 2014País vive conflito desde 2014 - Foto: Saleh Al-Obeidi/AFP

 

Pelo menos 14 suspeitos de pertencer à rede Al Qaeda e um soldado americano morreram ontem na primeira operação militar de tropas especiais americanas no Iêmen desde a chegada de Donald Trump à Casa Branca.

O ataque, realizado em Yakla, no Centro do Iêmen, com drones e helicópteros Apache, destinava-se a alvos da Al Qaeda, informou uma autoridade iemenita que pediu para ter a identidade preservada.

A fonte reportou um balanço mais elevado do que o divulgado pelos Estados Unidos, com 41 supostos membros da Al Qaeda mortos, entre eles chefes, assim como oito mulheres e oito crianças.

Segundo uma autoridade iemenita, as forças americanas atacaram alvos da Al Qaeda em uma escola, uma mesquita e um ambulatório. O líder local da Al Qaeda, identificado como Abu Barazan, de nacionalidade estrangeira, está entre os mortos na operação, acrescentou.

No ataque também morreram três líderes tribais vinculados à Al Qaeda: os irmãos Abdelrauf e Soltan al Zahab, além de Saif Alawai al Jawfi, informaram fontes tribais e locais.

 

Veja também

Países europeus endurecem regras e exigem máscaras mais resistentes contra Covid-19
Coronavírus

Países europeus endurecem regras e exigem máscaras mais resistentes contra Covid-19

Biden derruba proibição de Trump para que transsexuais sirvam nas Forças Armadas
Estados Unidos

Biden derruba proibição de Trump para que transsexuais sirvam nas Forças Armadas