Inventor dinamarquês nega morte de jornalista e mutilação do corpo

Kim Wall, uma jornalista freelancer sueca de 30 anos, desapareceu em 10 de agosto no estreito de Öresund, entre Dinamarca e Suécia

Agentes procurando partes do corpo da jornalista Kim Wall, na DinamarcaAgentes procurando partes do corpo da jornalista Kim Wall, na Dinamarca - Foto: Martin Sylvest/ SCANPIX DENMARK / AFP

O inventor dinamarquês Peter Madsen, acusado de ter provocado a morte da jornalista sueca Kim Wall, negou o assassinato e a mutilação do corpo, depois que as autoridades encontraram o tronco decapitado e amputado da vítima, informou a polícia da Dinamarca.

"O suspeito nega o homicídio e ter atentado contra a integridade do cadáver", anunciou a polícia de Copenhague em um comunicado, após um novo interrogatório de Madsen, de 46 anos.

Leia também:
Dinamarca acusa russos de hackear e-mails de ministério
Polícia dinamarquesa confirma que corpo mutilado é de jornalista desaparecida

Kim Wall, uma jornalista freelancer sueca de 30 anos, desapareceu em 10 de agosto no estreito de Öresund, entre Dinamarca e Suécia, quando preparava uma reportagem sobre o submarino privado UC3 Nautilus e seu construtor, Peter Madsen.

O dinamarquês foi auxiliado em 11 de agosto por um navegador amador antes do naufrágio de seu submarino, que a polícia suspeita que pode ter sido sabotado pelo próprio Madsen.

Após uma intensa operação de busca no mar, o tronco mutilado de Kim Wall, cujos membros e cabeça foram seccionados deliberadamente, foi encontrado na segunda-feira na baía de Køge, perto da capital dinamarquesa, por um ciclista.

O inventor afirma que Kim Wall, de 30 anos, morreu acidentalmente e ele jogou o corpo na baía de Køge.

Veja também

Soldado dos EUA é preso por querer ajudar Estado Islâmico a atacar americanos
Terrorismo

Soldado dos EUA é preso por querer ajudar Estado Islâmico a atacar americanos

EUA supera as 400.000 mortes pela Covid-19
Pandemia

EUA supera as 400.000 mortes pela Covid-19