Irã anuncia reciprocidade em relação aos EUA

Nesta sexta-feira (3), o governo de Donald Trump impôs novas sanções ao Irã por seu programa balístico

Donald Trump Donald Trump  - Foto: Brendan Emialowski/afp

O Irã vai agir de maneira "recíproca" diante da decisão dos Estados Unidos de impor nova sanções a Teerã e agirá contra "indivíduos e empresas americanas" que apoiam grupos "terroristas" - anunciou o Ministério iraniano das Relações Exteriores, nesta sexta-feira (3).

Nesta sexta-feira (3), o governo de Donald Trump impôs novas sanções ao Irã por seu programa balístico, dias depois de um teste de míssil que provocou a fúria de Washington. "A República Islâmica do Irã, em resposta à nova política dos Estados Unidos, e de forma recíproca, imporá limites legais a certos indivíduos e empresas americanas que tiveram um papel na criação e no apoio de grupos extremistas terroristas na região", acrescentou o comunicado da Chancelaria.

Os nomes desses indivíduos e empresas dos Estados Unidos serão "anunciados posteriormente", completou Teerã. "O desenvolvimento e as capacidades de mísseis destinados apenas a objetivos de defesa e com armas convencionais (...) é um direito do povo iraniano, conforme o Direito Internacional e a Carta da ONU", indicou o comunicado.

"Qualquer intervenção externa a esse respeito é uma violação (...) do Direito Internacional", insistiu a nota do Ministério.

As novas medidas americanas têm como alvo 25 pessoas e entidades suspeitas de terem dado apoio logístico, ou material, ao programa de mísseis iraniano, detalha o Departamento do Tesouro americano em um comunicado, acrescentando que essas sanções não violam o acordo sobre a questão nuclear iraniana assinado em 2015.

Veja também

Colômbia pode impor restrições a quem não se vacinar, alerta ministro
América Latina

Colômbia pode impor restrições a quem não se vacinar, alerta ministro

Com 54% da população totalmente vacinada, Portugal alivia restrições contra a Covid-19
PANDEMIA

Com 54% da população totalmente vacinada, Portugal alivia restrições contra a Covid-19