Iranianos pedem reconciliação nacional para enfrentar Trump

Os dois grupos tem uma briga histórica, que conta com centenas de prisões e uma violência exacerbada entre seus membros

Presidente dos EUA, Donald TrumpPresidente dos EUA, Donald Trump - Foto: Saul Loeb/AFP

A postura agressiva do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pode fazer com que os reformistas e os fundamentalistas iranianos superem suas diferenças para enfrentar o líder norte-americano. Os dois grupos tem uma briga histórica, que conta com centenas de prisões e uma violência exacerbada entre seus membros. O clima de tensão, sobretudo, ocorreu entre 1997 e 2005, quando o reformista Mohammad Khatami presidiu o país. As informações são da agência ANSA.

A possível reaproximação entre as duas correntes foi destaque nesta segunda-feira (13) no jornal oficial dos reformistas Aftab-e Yazd que, com uma série de entrevistas com personagens das duas vertentes, fez um convite para a "reconciliação nacional".

O pedido vem dias após de Khatami lançar um apelo para a união durante as manifestações do dia 10 de fevereiro, quando os iranianos lembraram os 38 anos da Revolução Islâmica. Segundo o ex-presidente, essa era uma forma de demonstrar "solidariedade" perante as novas ameaças do governo dos EUA.

De acordo com a publicação, as recentes atitudes tomadas por Trump contra o Irã – como o banimento da entrada de cidadãos iranianos nos EUA e as novas sanções país por um teste de míssil - associadas à morte do aiatolá Hashemi Rafsanjani - ponto de referência na conversa entre as duas vertentes - fizeram com que os reformistas abrissem a possibilidade de diálogo.

No entanto, conforme as entrevistas feitas pelo jornal, as respostas dos fundamentalistas não é unânime. Na prática, eles estão divididos em dois grupos: uma parte, como aquela à qual pertence o teórico fundamentalista Abbas Salimi Namin, considera que a "reconciliação é uma boa notícia para todos" desde que sejam "revistas algumas medidas desde 2009".

Já o outro grupo, que tem como expoente o chefe de redação do jornal fundamentalista Kayhan Shariatmadari, fecha a porta para a ideia e diz que "a ideia de reconciliação nacional vem dos traidores do país".

Veja também

Por margem apertada, Senado dos EUA mantém processo de impeachment de Trump
EUA

Senado mantém processo de impeachment de Trump

Mundo ultrapassa a marca de 100 milhões de casos por Covid-19
Coronavírus

Mundo ultrapassa a marca de 100 milhões de casos por Covid-19