Itália pode conceder bônus de 800 euros a casais que tiverem filho

A lei orçamentária também prevê o pagamento de mil euros (R$ 3,5 mil) por ano para ajudar nas despesas

Criança recém-nascida Criança recém-nascida  - Foto: Cesar Brustolin/SMCS (arquivo)

O governo da Itália enviou nessa sexta-feira (28) o texto da lei orçamentária de 2017 para avaliação do presidente da República, Sergio Mattarella. Entre outros pontos, a medida confirma o bônus de 800 euros (R$ 2,8 mil, segundo a cotação atual) para incentivar a natalidade no país. A informação é da Agência Ansa. O valor será concedido a partir de 1º de janeiro do ano que vem para todas as crianças que nascerem. Os pais deverão solicitar o benefício no sétimo mês de gravidez. Em 2015, a Itália registrou apenas 487,8 mil nascimentos, o menor número desde sua unificação, em 1861.

A lei orçamentária também prevê o pagamento de mil euros (R$ 3,5 mil) por ano para ajudar nas despesas com creches para crianças nascidas a partir de 1º de janeiro de 2016. Atualmente, já é dado um auxílio de 80 (R$ 280) a 160 euros (R$ 560) mensais para cada bebê nascido entre 1º de janeiro de 2015 e 31 de dezembro de 2017. O benefício é concedido até a criança completar 3 anos de idade, mas destina-se apenas a famílias de baixa renda. Para entrar em vigor, a lei orçamentária precisa ser aprovada pelo Parlamento e ter o aval da União Europeia, que durante a semana já havia cobrado mais explicações sobre o texto.

O documento também prevê a criação de um fundo de 1,9 bilhão de euros (R$ 6,6 bilhões) para a prevenção contra terremotos, redução de impostos sobre residências de moradores das áreas afetadas pelos tremores dos últimos meses, possibilidade de antecipar aposentadorias, aumento dos investimentos em saúde e educação e a destinação de 200 milhões de euros (R$ 700 milhões) para projetos na África.

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios
Coronavírus

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios