Mundo

Itamaraty orienta diplomatas brasileiros a não prestar condolências a general iraniano

Em trecho circular telegráfica obtida pela reportagem, o ministério diz: "Rogo a vossa excelência não comparecer a nenhuma cerimônia em memória do general Qassim Suleimani"

Itamaraty Itamaraty  - Foto: Reprodução/Flickr

O Itamaraty instruiu oficialmente diplomatas brasileiros a não comparecerem a nenhuma cerimônia em homenagem ao general iraniano Qassim Suleimani, morto pelas forças americanas no Iraque.

Em circular telegráfica obtida pela reportagem, o ministério diz: "Rogo a vossa excelência não comparecer a nenhuma cerimônia em memória do general Qassim Suleimani, ex-comandante da Força Quds iraniana, e de Abu Mahdi al-Muhandas, ex-chefe da milícia Hizbullah, nem assinar livro de condolências em suas homenagens".

Suleimani era considerado a segunda autoridade mais importante do Irã e comandava a Guarda Revolucionária, responsável pelo serviço de inteligência e por conduzir operações militares secretas no exterior.

Leia também:
Irã convoca embaixador brasileiro para explicar nota do Itamaraty
Após morte de general, Parlamento iraquiano aprova expulsão de tropas americanas


O iraquiano al-Muhandas era comandante de um grupo de milícias xiitas que atuavam no Iraque, com apoio de Teerã. Ele estava junto com Suleimani quando o comboio em que viajavam foi atingido por um ataque com um drone americano, próximo ao aeroporto de Bagdá.

Procurada, a embaixada do Irã no Brasil informou que, até o momento, nenhum representante do Itamaraty prestou condolências ou assinou o livro na representação do país em Brasília. A representação iraniana enviou o convite para isso aos diplomatas brasileiros por meio de uma comunicação oficial.

Até a publicação desta reportagem, o Itamaraty não havia retornado aos pedidos de informação feitos pela reportagem.

O alinhamento do Brasil com os EUA já vinha provocando tensões diplomáticas. O governo iraniano convocou a encarregada de negócios da embaixada do Brasil no país, Maria Cristina Lopes, para reclamar da nota oficial divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores sobre o ataque que matou o general Suleimani.

Na nota, publicada na sexta (3), o Brasil manifestou "apoio à luta contra o flagelo do terrorismo". Lopes foi chamada por ocupar temporariamente o lugar do embaixador, Rodrigo Santos, que está em férias. Segundo o Itamaraty, a conversa foi cordial. Na prática diplomática, uma convocação desse tipo equivale a um ato de reprimenda.

Questionado por jornalistas nesta terça (7) se o Brasil poderia adotar postura semelhante e convocar os diplomatas que estão no Irã, o presidente Jair Bolsonaro não respondeu. Ele disse que terá uma conversa sobre o tema com o ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

Veja também

Antes odiado pela esquerda, FBI agora é atacado pelos conservadores dos EUA
estados unidos

Antes odiado pela esquerda, FBI agora é atacado pelos conservadores dos EUA

Restos mortais de duas crianças são encontrados em malas leiloadas na Nova Zelândia
crime

Restos mortais de duas crianças são encontrados em malas leiloadas na Nova Zelândia