Japão abandona comissão para retomar a caça comercial das baleias

País asiático anuncia retirada da Comissão Baleeira Internacional (CBI) trinta anos após ter encerrado a prática de caça ao animal marinho

Apesar de críticas internacionais, o Japão passou três meses em uma embarcação de caçaApesar de críticas internacionais, o Japão passou três meses em uma embarcação de caça - Foto: Andrew Caballero-Reynolds/AFP

O Japão anunciou nesta quarta-feira (26) sua retirada da Comissão Baleeira Internacional (CBI) com o objetivo de retomar a caça comercial em julho, desafiando os defensores dos cetáceos, 30 anos depois de ter encerrado esta prática, ao menos oficialmente.

Na realidade, o Japão nunca interrompeu completamente a caça às baleias, utilizando uma cláusula da moratória de 1986 que autoriza a captura desses animais para pesquisa. Mas agora retomará publicamente a caça com fins comerciais, como já fazem Islândia e Noruega.

Leia também:
Aerossol é provável causa de explosão em restaurante no Japão
Segundo Ronaldo, caça às bruxas virou normalidade no futebol
Tigre branco mata cuidador em zoológico no Japão


As críticas não demoraram a chegar: o governo australiano afirmou que está "extremamente decepcionado" e pediu ao Japão que reconsidere sua posição.

O ministro neozelandês das Relações Exteriores, Winston Peters, enviou uma mensagem similar a Tóquio e criticou uma "prática antiquada e inútil". O Japão, no entanto, não vai caçar em "águas da Antártica ou no hemisfério Sul", afirmou Yoshihide Suga, representante do governo para o tema.

"A caça estará limitada às águas territoriais e à zona econômica exclusiva do Japão, de acordo com as cotas de capturas calculadas segundo o método da CBI para não esgotar os recursos", disse. O governo prevê que a saída da CBI se torne efetiva no dia 30 de junho.

"O caminho a seguir"
Suga justificou a decisão pela "ausência de concessões por parte dos países unicamente comprometidos com a proteção das baleias, apesar dos elementos científicos que confirmam a abundância de certas espécies de baleias".

A divergência foi evidente durante a última reunião da CBI, em setembro, o que levou o Japão a tomar tal medida, completou o representante do governo. A entidade rejeitou na ocasião o texto apresentado pelo Japão, com o título "O caminho a seguir".

A ideia de Tóquio era aplicar uma via dupla dentro da CBI, uma organização com 89 países membros, para incluir a preservação e a caça comercial das baleias. Essa última teria sido administrada por um "comitê sustentável de caça das baleias".  A proposta teria acabado com a moratória imposta a esta atividade em 1986, da qual o Japão é signatário.

Mas os países defensores das baleias, com Austrália, União Europeia e Estados Unidos à frente, rejeitaram o texto nipônico, com 41 votos contra 27. O vice-ministro japonês da Pesca, Masaaki Taniai, lamentou o resultado da votação e citou a possibilidade de abandonar a CBI como última opção.

"Nação pirata"
O governo nipônico abre assim uma nova frente de batalha entre os críticos e os defensores da caça dos cetáceos, que os japoneses, especialmente os mais nacionalistas, consideram uma importante tradição nipônica. 

Vários membros do Partido Liberal Democrata (PLD), partido conservador do primeiro-ministro Shinzo Abe, defendem "a riqueza desta cultura", segundo as palavras de Suga. "Esperamos que esta decisão permita transmiti-la à próxima geração", destacou. As organizações ecológicas reagiram e criticaram a decisão.

"Está claro que o governo tenta fazer o anúncio de forma discreta, no fim do ano, longe do foco da imprensa internacional, mas o mundo não é bobo", comentou Sam Annesley, diretor da unidade japonesa do Greenpeace.

"A decisão do Japão está completamente desfasada em relação à comunidade internacional e ignora a necessidade de proteger nossos oceanos e estas criaturas majestosas", completou. A associação americana Humane Society International (HSI) lamentou que o Japão se transforme em uma "nação pirata" de caça das baleias. O Japão, indicou a HSI, é o maior contribuinte financeiro da Comissão Baleeira, que precisará substituir a parte de Tóquio em seus recursos.

Apesar do argumento científico citado há três décadas pelo Japão para caçar as baleias, a carne do cetáceo acaba nos balcões das peixarias. Embora tenha sido uma fonte fundamental de proteína nos primeiros anos do pós-guerra, a maioria dos japoneses afirma que não consome carne de baleia, ou apenas em raras ocasiões.

Veja também

Portaria restringe entrada de estrangeiros no país
Coronavírus

Portaria restringe entrada de estrangeiros no país

Novo lote com 300 mil doses da vacina da Janssen chega ao Brasil
Vacina

Novo lote com 300 mil doses da vacina da Janssen chega ao Brasil