Jornalista muçulmana aparece na ’Playboy’ usando hijab e gera polêmica

Ela está na edição de outubro da revista, que desde o ano passado não publica fotos de mulheres nuas

Filme "Hiroshima, meu amor"Filme "Hiroshima, meu amor" - Foto: Divulgação

Noor Tagouri, 22, é uma jornalista americana de origem turca que ganhou notoriedade após se tornar a primeira âncora a aparecer na TV dos EUA usando uma hijab, símbolo da religião muçulmana.

Ela está na edição de outubro da revista 'Playboy' americana, que desde o ano passado não publica fotos de mulheres nuas. Sua entrevista faz parte da seção 'Renegados', uma série com 'oito homens e mulheres não convencionais que não têm medo de quebrar as regras'.

A polêmica criada por ela posar de hijab na publicação, cuja história está ligada à exposição de corpos femininos nus, ecoou mais do que suas palavras. Desde que compartilhou a reportagem em sua página no Facebook, a jornalista tem recebido mensagens de reprovação. Uma delas diz: 'Você falhou em promover o hijab e o Islã. Em vez disso, promoveu a 'Playboy' para a comunidade muçulmana, especialmente os adolescentes. Você tinha boas intenções, mas escolheu a direção errada.'

Alguns internautas, porém, enviaram recados de apoio a Noor. Uma mulher lhe escreveu dizendo que ela é uma inspiração para meninas. 'Faça sua voz ser ouvida. Nunca deixe a voz de um homem mandar em você. Você é sua própria e verdadeira bênção'.

À 'Playboy', a jornalista, que se autodenomina 'contadora de histórias', disse acreditar que sua origem muçulmana lhe ajuda a conquistar a confiança das pessoas. 'É como se seu falasse 'eu sei como é ser sub-representada na mídia, não vou fazer isso com você. Quero contar sua história porque é importante e ela merece justiça''.

Veja também

Antes de referendo, protestos marcam um ano de manifestações no Chile
Referendo

Protestos marcam um ano de manifestações no Chile

Projeções apontam vitória do candidato de Evo Morales no 1º turno na Bolívia
América Latina

Projeções apontam vitória do candidato de Evo Morales no 1º turno na Bolívia