Jovem de ultradireita abre fogo contra estrangeiros na Itália

O homem, que atirou de dentro do carro, foi preso sem oferecer resistência, segundo imagens divulgadas pela TV

Homem italiano preso por suspeita de ferir vários estrangeiros em um tiroteio em Macerata. Esta foto foi divulgada pelo escritório italiano de imprensaHomem italiano preso por suspeita de ferir vários estrangeiros em um tiroteio em Macerata. Esta foto foi divulgada pelo escritório italiano de imprensa - Foto: Italian Carabinieri Press Office/AFP

Um jovem italiano de cabeça raspada e ligação com a ultradireita foi detido neste sábado em Macerata, centro da Itália, após um tiroteio contra estrangeiros que deixou seis feridos.

O homem, que atirou de dentro do carro, foi preso sem oferecer resistência, segundo imagens divulgadas pela TV.

"Há seis feridos, todos estrangeiros", informou o prefeito Romano Carancini após o tiroteio desta manhã, que gerou pânico no centro da cidade, de 43 mil habitantes.

A polícia também falou em feridos estrangeiros, um dos quais teve que ser operado. A imprensa italiana citava "pessoas de cor".

O suspeito, identificado pela imprensa como Luca Traini, 28, era interrogado pela polícia horas depois. Ele foi preso sem oferecer resistência, na escadaria do monumento aos mortos da cidade, segundo imagens de TV.

Após parar seu carro em frente ao monumento, tirou o casaco, enrolou a bandeira italiana ao redor do pescoço, fez a saudação fascista e gritou "Viva a Itália!", informou a imprensa local, citando testemunhas.

A polícia encontrou uma arma no carro do suspeito, que, segundo a imprensa, admitiu os fatos. Ele abriu fogo em oito pontos diferentes da cidade, e o escritório do Partido Democrata (centro-esquerda, no poder) teria sido um dos alvos.

Candidato da Liga Norte
Luca Traini foi candidato da Liga do Norte, partido de ultradireita antimigração e antieuropeu, nas eleições administrativas em uma localidade da região em 2017.

"Alguém que atira é um criminoso, não importando a cor de sua pele", reagiu o responsável da Liga Norte, Matteo Salvini, que faz campanha eleitoral para as legislativas de 4 de março, antes de denunciar a "invasão migratória" na Itália.

"O ódio e a violência não irão nos separar", declarou o chefe de governo italiano, Paolo Gentiloni.

Nenhuma ligação foi estabelecida pela polícia entre este tiroteio e uma notícia amplamente coberta há dois dias pela imprensa nacional.

Um traficante de drogas nigeriano de 29 anos, candidato ao asilo, foi preso na mesma cidade de Macerata por suspeita de assassinato de uma italiana de 18 anos cujo corpo foi encontrado na quarta-feira cortado em pedaços em várias malas.

A polícia encontrou nesta sexta-feira, na casa do nigeriano, roupas da vítima e uma faca com traços de sangue.

A jovem assassinada, Pamela Mastropietro, havia escapado segunda-feira de um centro de desintoxicação localizado em Corridonia, localidade onde o suspeito do tiroteio disputou eleições.

"Ele estava apaixonado por uma jovem romana com problemas de toxicomania", afirmou ao jornal "La Repubblica" uma colaboradora da Liga Norte de Macerata, sem poder afirmar se se tratava de Pamela.

Pessoas ligadas à jovem e ouvidas por uma TV italiana descartaram que ela conhecesse Traini.

Veja também

Peru vai isentar viajantes de quarentena ao reabrir fronteiras

Peru vai isentar viajantes de quarentena ao reabrir fronteiras

Bolsa encosta em 100 mil pontos e fecha no maior nível em quatro meses
BOLSA DE VALORES

Bolsa fecha no maior nível em quatro meses