Judeus israelenses nascidos em Irã e Síria podem viajar aos EUA

Na sexta-feira (27), Trump promulgou um decreto que proíbe aos cidadãos de Irã, Iraque, Síria, Iêmen, Líbia, Somália e Sudão entrar nos Estados Unidos durante 90 dias

Presidente dos EUA, Donald TrumpPresidente dos EUA, Donald Trump - Foto: Saul Loeb/AFP

Judeus nascidos em qualquer dos sete países de maioria muçulmana pelo decreto do presidente americano, Donald Trump, que tiverem adquirido a cidadania israelense, podem continuar viajando aos Estados Unidos, informou nesta terça-feira (31) a embaixada americana em Tel Aviv.

Na sexta-feira (27), Trump promulgou um decreto que proíbe aos cidadãos de Irã, Iraque, Síria, Iêmen, Líbia, Somália e Sudão entrar nos Estados Unidos durante 90 dias, prazo para revisar os critérios para concessão de vistos, por se tratar de países cuja população é majoritariamente muçulmana.

O decreto provocou incertezas entre as dezenas de milhares de judeus nascidos nestes países, mas que em seguida emigraram para Israel e adquiriram a nacionalidade daquele país.

"Se você dispõe de visto americano válido em seu passaporte israelense e nasceu em Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria ou Iêmen, e não dispõe de um passaporte válido de alguns destes países, seu visto (...) continua sendo válido", destacou a embaixada dos Estados Unidos em um comunicado.

"Continuamos tratando as demandas de visto de solicitantes nascidos nestes países desde o momento que não tenham passaporte válido de algum deles", acrescentou.

Cento e quarenta mil pessoas nascidas em algum destes sete países residem atualmente em Israel, das quais 45.000 são iranianas e 53.000 iraquianas, de acordo com estatísticas oficiais. A maioria destas pessoas tem mais de 65 anos e muitos fugiram das perseguições aos judeus. Em seu passaporte israelense consta seu local de nascimento.

O ministério israelense de Relações Exteriores havia anunciado que buscava determinar até que ponto estas pessoas poderiam ser afetadas pelo decreto promulgado por Trump.

Veja também

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip
Realeza

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia
Ásia

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia