Mundo

Julian Assange pede para não ser extraditado para os EUA

Na quarta-feira, o ativista foi punido com 50 semanas de prisão no Reino Unido

Julian AssangeJulian Assange - Foto: Reprodução/ Facebook

O fundador da Wikileaks, Julian Assange declarou nesta quinta-feira (2), em um tribunal em Londres, que não quer ser extraditado para os Estados Unidos (EUA), onde se arrisca a ir a julgamento por uma das maiores fugas de informação confidencial da história.

Depois de, nessa quarta-feira (1º), ter sido punido com 50 semanas de prisão no Reino Unido por violação de uma medida de coação, Assange enfrenta hoje uma audiência sobre a eventual extradição para os Estados Unidos.

Leia também:
Assange é acusado de usar embaixada como 'centro de espionagem'
Mais de 70 parlamentares britânicos pedem extradição de Assange para Suécia


Quando questionado, por meio de videochamada entre o tribunal de Westminster e a prisão britânica onde se encontra, depois de ter sido detido em 11 de abril, sobre se concordava em ser extraditado, o fundador do Wikileaks disse que não quer render-se à extradição.

Lauri Love, hacker e amigo de Assange, tinha já declarado à CNN que uma “difícil batalha” não faria com que o ativista australiano parasse de lutar contra a extradição para os Estados Unidos. “Ele faz um ar corajoso, mas é evidente que está muito preocupado”, afirmou.

Veja também

Milhares de mulheres se manifestam contra 'cultura do estupro' no Uruguaiuruguai

Milhares de mulheres se manifestam contra 'cultura do estupro' no Uruguai

Petróleo derramado no mar no Peru foi o dobro do informado até agoraPeru

Petróleo derramado no mar no Peru foi o dobro do informado até agora