Justiça da Argentina condena militante opositora a Macri por dano qualificado

Apesar de a Justiça estar apurando seus crimes, Milagro Sala está em prisão preventiva desde janeiro

Felipe Carreras (PSB) e Humberto Costa (PT)Felipe Carreras (PSB) e Humberto Costa (PT) - Foto: Divulgação

A Justiça da Argentina condenou nesta quarta-feira (28) a líder do movimento Tupac Amaru, Milagro Sala, a três anos de prisão por dano qualificado durante um protesto em 2009 na cidade de San Salvador de Jujuy.

A manifestação era um escrache ao então senador Gerardo Morales. Aliado do presidente Mauricio Macri e opositor a Sala, ele hoje governa a província de Jujuy e ordenou a prisão de Sala em 16 de janeiro deste ano.

Embora não tenha participado do protesto, ela é apontada como a mandante por liderar a Tupac Amaru. A advogada da militante, Elizabeth Gómez Alcorta, considera que faltam provas para incriminar Sala.

Por este crime ela cumpriria a pena em regime aberto. No entanto, Sala é acusada por desviar recursos públicos de Jujuy e nacionais no programa de habitação conduzido pela Tupac Amaru, motivo pelo qual foi presa.

Ela ainda é acusada de usar os programas habitacionais como curral eleitoral para os candidatos alinhados com seu movimento, incluindo a ex-presidente Cristina Kirchner. Sala nega qualquer acusação.

"Nós educamos, recuperamos os jovens da cultura do trabalho e recuperamos milhares de jovens das drogas, da prostituição e dos roubos, mas hoje tudo voltou de novo", afirmou, criticando Morales e Macri.

"Esse foi o nosso pecado e não sinto como um pecado. Simplesmente queríamos igualdade em um país tão rico, onde há muito dinheiro e onde os empresários e os oligarcas voltaram a ficar com tudo."

Polêmica

Apesar de a Justiça estar apurando seus crimes, Sala está em prisão preventiva desde janeiro. O período de quase um ano de detenção sem julgamento fez com que Macri enfrentasse a crítica de diversos países e organizações.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Alto Comissariado da ONU de Direitos Humanos pedem explicações a Macri pela detenção e a libertação imediata da militante social em novembro.

Em resposta, o presidente disse que os argentinos consideravam que Sala deveria estar presas devido a todos os processos abertos, mas também considerou que a informação sobre os delitos deveria ser explicitada ao mundo.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump