Justiça manda família de Pinochet devolver mais de R$ 19 mi por corrupção

Além do valor em dinheiro, também irão a leilão três veículos e 24 propriedades que pertenciam ao ditador, morto em 2006. O dinheiro estaria em contas secretas ligadas a Pinochet, originárias de esquema de corrupção implementados durante seu governo.

Ditadura de Pinochet durou 17 anos no ChileDitadura de Pinochet durou 17 anos no Chile - Foto: Reprodução/Internet

A Suprema Corte do Chile definiu que a família do ditador Augusto Pinochet deve devolver US$ 5,1 milhões (R$ 19,6 milhões) que estavam em contas secretas ligadas a ele e que seriam originárias de esquemas de corrupção implementados durante seu governo, entre 1973 e 1990. Não cabe recurso da decisão, tomada na quarta-feira (20) por um placar de quatro votos favoráveis e um contrário.

Além do valor em dinheiro, também irão a leilão três veículos e 24 propriedades que pertenciam ao ditador, morto em 2006. Com isso, segundo o jornal local El Mercurio, o total pode chegar a cerca de US$ 13 milhões (R$ 50,2 milhões), mas não está claro ainda quanto deste valor precisará ser devolvido.

A Justiça disse que Pinochet e outros militares de alto escalão de seu governo desviaram juntos US$ 6,4 milhões (R$ 24,7 milhões) dos cofres chilenos. O dinheiro do ditador estava espalhado em 125 contas do antigo Riggs Bank, que tinha sede em Washington, e que foram descobertas por acaso em 2004.

Leia também:
Juiz chileno condena 106 agentes da ditadura de Pinochet
Viúva de Augusto Pinochet herdou pensão do ditador chileno


O caso começou ataque as Torres Gêmeas em Nova York em 11 de setembro de 2001. Na ocasião, o banco passou a ser investigado por autoridades americanas porque havia suspeita de que ele era usado por grupos terroristas para a lavagem de dinheiro e os investigadores acabaram encontrando as contas secretas ligadas ao antigo ditador chileno, que foram abertas em 1994.

A revelação do caso, junto a outras denúncias de crimes financeiros, levaram o Riggs a ser adquirido em 2005 por outro banco americano, o PNC, para não correr o risco de fechar as portas.

Ao todo, as contas secretas do ditador tinham o equivalente a US$ 21 milhões (R$ 81 milhões), dos quais US$ 17,8 milhões (R$ 68,8 milhões) não tinham origem comprovadas, de acordo com um estudo da Universidade do Chile.

Desde a descoberta das contas, há 14 anos, o governo chileno tentava na Justiça obrigar a família do ditador a devolver o dinheiro, mas sofreu derrotas na Justiça. Em 2015, um juiz de primeira instância tinha definido que os descendentes e a mulher de Pinochet deveriam devolver o dinheiro ao Estado chileno, mas a decisão foi anulada por uma Corte de apelações, que afirmou que o crime estava prescrito e que os familiares não poderiam ser responsabilizados por um delito cometido por terceiros.

Veja também

Portaria restringe entrada de estrangeiros no país
Coronavírus

Portaria restringe entrada de estrangeiros no país

Novo lote com 300 mil doses da vacina da Janssen chega ao Brasil
Vacina

Novo lote com 300 mil doses da vacina da Janssen chega ao Brasil