Kim Jong-un "deu sua palavra" para desnuclearização, diz governo sul-coreano

A aproximação entre as duas Coreias durante os Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang permitiu um intercâmbio de emissários

O líder norte-coreano Kim Jong-Un com estudantes e professores da Escola Revolucionária de Mangyongdae em PyongyangO líder norte-coreano Kim Jong-Un com estudantes e professores da Escola Revolucionária de Mangyongdae em Pyongyang - Foto: KNS/AFP

A ministra das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Kang Kyung-wha, garantiu nesta segunda-feira (19) que o líder norte-coreano Kim Jong-un "deu sua palavra" quanto ao compromisso do regime com a desnuclearização, o que estaria relacionado às futuras reuniões com Seul e Washington.

Em entrevista à rede de televisão americana CBS, Kang declarou que o ditador norte-coreano "já transmitiu seu compromisso" de abandonar o programa nuclear, em relação às condições prévias que Pyongyang deve cumprir antes que Kim possa se reunir em abril com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e em maio com o dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump.

"Ele deu sua palavra. A importância dessas palavras tem muito peso no sentido de que esta é a primeira vez que elas provêm diretamente do próprio líder supremo", acrescentou Kang.

Leia também:
Seul apoia novas sanções dos Estados Unidos contra Coreia do Norte
Trump discute Coreia do Norte em ligação com presidente da China


A aproximação entre as duas Coreias durante os Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang permitiu um intercâmbio de emissários, no qual uma delegação sul-coreana pôde reunir-se pessoalmente com Kim em Pyongyang.

O líder norte-coreano transmitiu ao grupo o desejo de realizar as duas cúpulas e garantiu que está disposto a negociar o fim do programa nuclear se for garantida a sobrevivência do regime.

A ministra das Relações Exteriores sul-coreana disse ainda acreditar que Kim "tem a intenção de discutir temas de segurança, entre eles a questão da desnuclearização", durante as duas cúpulas e considerou "muito significativo" o fato de ele ter aceitado realizar o encontro com Moon na faixa sul da fronteira que divide os dois países.

O local e a data exata da cúpula com Trump, a primeira da história entre os líderes dos dois países, ainda não foram decididos. Para concretizar os detalhes desses encontros, muitos movimentos diplomáticos entre as duas Coreias e os EUA vêm ocorrendo nos últimos dias.

Veja também

A 9 dias da eleição nos EUA, número de votos antecipados em 2020 ultrapassa os de 2016
EUA

A 9 dias da eleição nos EUA, número de votos antecipados em 2020 ultrapassa os de 2016

Festa nas ruas do Chile após aprovação de nova Constituição em plebiscito
América Latina

Festa nas ruas do Chile após aprovação de nova Constituição em plebiscito