A-A+

Lavrov critica 'influência destrutiva' dos EUA na Venezuela

A crítica foi feita diretamente ao secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

"A continuação dessas etapas agressivas teria sérias consequências", afirmou Lavrov, na conversa com Pompeo."A continuação dessas etapas agressivas teria sérias consequências", afirmou Lavrov, na conversa com Pompeo. - Foto: Vasily Maximov / AFP

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, denunciou, nesta quarta-feira (1º), a "influência destruidora" dos Estados Unidos na Venezuela, considerando-a "uma violação flagrante do Direito Internacional".

A crítica foi feita diretamente ao secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

"Esta influência destrutiva não tem nada a ver com a democracia", sendo "uma ingerência nos assuntos da Venezuela", disse Lavrov nesse telefonema realizado por "iniciativa americana", destacou a Chancelaria russa em seu comunicado.

Leia também:
"No limbo", o drama dos venezuelanos sem passaporte nos EUA
'Única forma de ter golpe de Estado na Venezuela é se me prenderem', diz Guaidó
Maduro diz que haverá grande marcha para dizer não ao golpismo


Pompeo já tinha declarado que o governo americano está preparado - se for necessário - para intervir militarmente na Venezuela.

"A continuação dessas etapas agressivas teria sérias consequências", afirmou Lavrov, na conversa com Pompeo.

"Apenas o povo venezuelano tem o direito de decidir seu destino, e ele exige o diálogo de todas as forças políticas do país, algo que o governo (de Nicolás Maduro) reconhece há muito tempo", frisou Lavrov.

Segundo a porta-voz do Departamento de Estado, Morgan Ortagus, na conversa, Pompeo "destacou que a intervenção de Rússia e Cuba é desestabilizadora para a Venezuela e para a relação bilateral entre Estados Unidos e Rússia".

Veja também

Lava do vulcão nas Ilhas Canárias desce lentamente para o mar
La Cumbre Vieja

Lava do vulcão nas Ilhas Canárias desce lentamente para o mar

Quem ajuda a África na batalha pelas vacinas? Continente tem apenas 3,6% de imunizados
Pandemia

Quem ajuda a África na batalha pelas vacinas? Continente tem apenas 3,6% de imunizados