Legalização do aborto na Irlanda cada vez mais próxima

Até a manhã deste sábado (26), o "sim" era a resposta para legalização do aborto até as 12 primeiras semanas de gestação

Protestante com cartaz que diz "eu sou uma mulher, não um útero"Protestante com cartaz que diz "eu sou uma mulher, não um útero" - Foto: Clodagh Kilcoyne/Reuters

O apoio ao "sim" foi de 77% em Dublin central, 69%, em Cork Sul-central, 64%, em Cork-norte-central, e 60%, em Galway Leste. O "sim" obtinha um vitória clara nos primeiros resultados oficiais anunciados neste sábado (26), após o histórico referendo na Irlanda sobre a liberalização do aborto.

Os resultados das primeiras quatro das 40 circunscrições do país se declararam 66,36% favoráveis a uma liberalização da legislação sobre o aborto, anunciou o escritório responsável pela apuração central baseado em Dublin. Hoje, a lei irlandesa é uma das mais restritivas da Europa. A participação foi de 63%.

Leia também:
Quase 60% dos brasileiros são favoráveis ao aborto em caso de estupro
Trump manifesta apoio à marcha contra aborto
Deputados e especialistas divergem sobre dados relativos a mortes por aborto


O apoio ao "sim" foi de 77% em Dublin central, 69%, em Cork Sul-central, 64%, em Cork-norte-central, e 60%, em Galway Leste.

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, considerou, neste sábado, que o inequívoco "sim" no referendo sobre a liberalização do aborto no país é "o desfecho de uma revolução tranquila". "O que nós vemos hoje é o desfecho de uma revolução tranquila, que transcorreu na Irlanda ao longo dos últimos dez, ou 20 anos", declarou à rede pública RTE.

Depois de confirmados os resultados, o próximo passo será o governo redigir um novo projeto de lei, autorizando o aborto durante as 12 primeiras semanas de gestação e até as 24 semanas por motivos de saúde.

Veja também

Cúpula sobre economias africanas pede suspensão de patentes de vacinas anticovid
Patentes de vacinas

Cúpula sobre economias africanas pede suspensão de patentes de vacinas anticovid

Canadá investirá em filial de laboratório dos EUA para fabricar vacinas anticovid
Coronavírus

Canadá investirá em filial de laboratório dos EUA para fabricar vacinas anticovid