Libertados dois dos sete suspeitos de planejar atentado na França

Trata-se de dois dos três indivíduos detidos em Marselha, no sudeste do país, completou a mesma fonte

Simone Fontana (PSTU)Simone Fontana (PSTU) - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Dois dos sete homens detidos no último fim de semana na França por serem suspeitos de planejar um atentado foram libertados nesta terça-feira (22) - informou uma fonte judicial à AFP.

Trata-se de dois dos três indivíduos detidos em Marselha, no sudeste do país, completou a mesma fonte.

A Polícia suspeitava de seu envolvimento no abrigo de Hicham E., um marroquino de 46 anos que mora em Portugal e que foi apontado na França como um islamita radical.

Os investigadores acreditam em que Hicham E., que continuava em prisão preventiva nesta terça-feira, captava fundos para a rede.

Os outros quatros detidos em Estrasburgo (leste), franceses de 35 a 37 anos, desconhecidos dos serviços de Inteligência, também continuavam em prisão preventiva. Dois deles são suspeitos de terem viajado para a Síria em 2015.

Durante as revistas, as forças de segurança apreenderam armas curtas, uma pistola semiautomática, uma metralhadora e propaganda extremista.

Em 14 de junho de 2016, a Polícia deteve cinco pessoas vinculadas a essa mesma rede, coincidindo com o início da Eurocopa de futebol celebrada na França, afirmou o ministro. Dois desses suspeitos foram detidos.

Realizada no último fim de semana, a operação aconteceu "com base em elementos formais", relatou no domingo uma fonte ligada ao caso.

Na segunda-feira (21), o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, afirmou que essa onda de detenções "permitiu frustrar uma ação terrorista planejada há muito tempo" na França.

Veja também

Trump e Biden visitam estados-chave no último fim de semana antes das eleições nos EUA
EUA

Trump e Biden visitam estados-chave no último fim de semana antes das eleições nos EUA

Boris Johnson anuncia novo 'lockdown' na Inglaterra para conter a covid-19
Coronavírus

Boris Johnson anuncia novo 'lockdown' na Inglaterra para conter a covid-19