Mundo

Líder de Hong Kong reitera suspensão de projeto alvo de protestos e nega renúncia

Líder de Hong Kong já havia anunciado o adiamento por tempo indefinido da apreciação da proposta pelo Parlamento

Chefe executiva de Hong Kong, Carrie LamChefe executiva de Hong Kong, Carrie Lam - Foto: Anthony Wallace / AFP

A chefe executiva de Hong Kong, Carrie Lam, voltou a sinalizar a suspensão da proposta de lei que prevê extradição à China e se desculpou publicamente nesta terça-feira (18), em meio aos protestos em massa no território.

A líder, no entanto, não descartou o projeto definitivamente, o que tem sido exigido por manifestantes. Avalizada pelo governo chinês, Lam garantiu apenas que o texto não será abordado enquanto persistirem, nas palavras dela, medos e ansiedades na população.

No sábado (15), a líder de Hong Kong já havia anunciado o adiamento por tempo indefinido da apreciação da proposta pelo Parlamento. Em seu novo pronunciamento, Lam ainda disse que não irá renunciar ao cargo, o que também tem sido reivindicado em protestos. Ela reconheceu, no entanto, as dificuldades que terá para governar ao longo dos três anos de mandato que lhe restam.

Leia também:
Aniversariante do dia, presidente da China ganha caixa com sorvetes de Putin
Terremotos na China matam 12 e deixam mais de 130 feridos

O projeto de lei que tem movido manifestantes prevê a simplificação do processo de extradição de suspeitos procurados para a China, onde, segundo críticos, habitantes de Hong Kong estariam sujeitos a julgamentos politizados pelo regime comunista.

Sob domínio chinês desde 1997, a ex-colônia britânica possui um sistema legal próprio e certa autonomia política em relação a Pequim, em um arranjo conhecido como "um país, dois sistemas".

Veja também

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA
Petróleo

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais
Londres

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais

Newsletter