Mundo

Líderes democratas apoiam suspensão do decreto migratório de Trump

Decreto de TRump proibia a entrada nos EUA de cidadãos do Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen

Madeleine Albright e John Kerry, dois ex-secretários de Estado norte-americanos que estão envolvidos na petiçãoMadeleine Albright e John Kerry, dois ex-secretários de Estado norte-americanos que estão envolvidos na petição - Foto: Mandel Ngan/AFP

Um grupo de personalidades do Partido Democrata, incluindo os ex-secretários de Estado Madeleine Albright e John Kerry, pediram nesta segunda-feira (6) a um tribunal de apelações que mantenha a suspensão do decreto migratório do presidente Donald Trump.

Em um texto submetido à Corte de Apelações do Nono Circuito, os democratas argumentam que o decreto presidencial assinado em 27 de janeiro "foi mal concebido, mal aplicado e mal explicado".

Na sexta-feira (3), um juiz federal ordenou a suspensão do decreto que proibia por 120 dias a entrada nos Estados Unidos de cidadãos do Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen, todos de maioria muçulmana. As medidas migratórias foram suspensas no sábado (4), mas nesse mesmo dia o Departamento de Estado recorreu da suspensão ante à justiça.

No dia seguinte, o tribunal rejeitou novamente a aplicação do decreto à espera de mais informações dos estados de Washington (noroeste) e Minnesota (norte), que entraram com a ação contra o decreto de Trump.

Entre as personalidades democratas que assinaram o texto, vários funcionários do governo do ex-presidente Barack Obama, a ex-secretária de Segurança Interna Susan Rice, o ex-secretário de Segurança Interna, Janet Napolitano, e o ex-chefe da CIA Leon Panetta. "Restabelecer a ordem executiva causaria estragos na vida de inocentes e nos valores americanos", acrescenta o texto.

Os democratas avisaram que a ordem presidencial poderia pôr em perigo as tropas americanas no exterior e interromper a cooperação de contraterrorismo, promovendo a propaganda do grupo jihadista Estado Islâmico.

Veja também

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'
Estados Unidos

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU
Repressão a uigures

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU